CIDADÃO DE PARIS

Durante discurso em Paris, Lula se refere a Moro como 'criminoso'

Na ocasião, o ex-presidente recebeu o título de cidadão de Paris

Carolina Fonsêca
Carolina Fonsêca
Publicado em 02/03/2020 às 17:12
Notícia
Foto: ALAIN JOCARD / AFP
Na ocasião, o ex-presidente recebeu o título de cidadão de Paris - FOTO: Foto: ALAIN JOCARD / AFP
Leitura:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se referiu ao ex-juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro como "criminoso", durante um discurso feito nesta segunda-feira (2), em Paris, na França. Na ocasião, Lula recebeu o título de cidadão honorário de Paris, concedido pela prefeita da capital francesa Anne Hidalgo.

>> Lula se encontra com papa Francisco no Vaticano

>> Lula cobra posição 'urgente' do Congresso contra vídeo de Bolsonaro

>> A mando de Moro, PF investiga Lula por declarações sobre Bolsonaro e milícia

Recebido por gritos da plateia, o petista discursou em português, lembrou dos dias na cadeia, além de se referir a Moro como "criminoso". 

O nome de Lula foi aprovado para receber o título em outubro do ano passado, quando ele ainda estava preso, pelo Conselho de Paris, que destacou que "os direitos civis e políticos do ex-presidente do Brasil foram desprezados".

Segundo a prefeitura de Paris, "a cidadania honorária é concedida em caráter excepcional a pessoas que se destacaram particularmente na defesa dos direitos humanos, a fim de afirmar o apoio de Paris nessas lutas e proteger os destinatários dessa distinção". 

"Eu tomei a decisão de me entregar (em abril de 2018), eu poderia não ter sido preso, poderia ter ido para uma embaixada, mas mesmo com mais de 70 anos decidi ir até a Polícia Federal porque alguém tinha que provar que o juiz Moro era criminoso e que os representantes do Ministério Público que me acusaram eram mentirosos", disse o ex-presidente. 

A cerimônia, realizada no início da tarde na prefeitura, contou com as presenças da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), de Fernando Haddad (PT), candidato do PT à presidência nas eleições de 2018 e da noiva de Lula, Rosângela da Silva.

Lula disse ainda que o Brasil vive "o resultado de um processo de enfraquecimento do processo democrático" e um cenário de "desprezo mesquinho pelos direitos do povo". 

Agenda em Paris 

Também nesta segunda-feira (2), Lula, Dilma e Haddad almoçaram com o ex-presidente francês François Hollande. 

No último domingo (1º), os três petistas se reuniram com lideranças políticas francesas, entre eles o deputado francês Eric Coquerel e o líder do grupo França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, que chegou a visitar Lula quando o ex-presidente estava preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba.

Últimas notícias