mensalão

João Paulo Cunha poderá passar fim de ano com família, decide ministro

Condenado por peculato (desvio de recursos públicos) e corrupção no mensalão, João Paulo ainda não obteve a progressão ao regime aberto pois não devolveu ao erário o que desviou: R$ 536 mil

Folhapress
Folhapress
Publicado em 21/12/2014 às 19:48
Foto: Agência Brasil
Condenado por peculato (desvio de recursos públicos) e corrupção no mensalão, João Paulo ainda não obteve a progressão ao regime aberto pois não devolveu ao erário o que desviou: R$ 536 mil - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

BRASÍLIA - O relator do processo do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luís Roberto Barroso, deferiu neste sábado (21) um pedido da defesa do ex-deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e o liberou para passar as festas de fim de ano com sua família em São Paulo.

Pedidos semelhantes já haviam sido deferidos a outros condenados do processo, como o ex-ministro José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. De acordo com Barroso, como o ex-deputado está em regime semiaberto, ele deve ser autorizado a visitar sua família.

Condenado por peculato (desvio de recursos públicos) e corrupção no mensalão, João Paulo ainda não obteve a progressão ao regime aberto pois não devolveu ao erário o que desviou: R$ 536 mil.

O valor nada tem a ver com a multa que lhe foi imposta pela Justiça, que ele, e outros condenados, fizeram uma "vaquinha" para pagar. O dinheiro é referente ao que ele desviou quando foi presidente da Câmara.

De acordo com Barroso, João Paulo fica autorizado a sair de Brasília, onde está preso, por até sete dias neste final de ano. O pedido do condenado, a princípio, pedia a liberação por 13 dias, mas o Ministério Público entendeu que o prazo era muito longo e recomendou a autorização por uma semana.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias