Protesto

UJS assume autoria por dano à boneca de Dilma

Evento que trouxe a boneca inflável foi organizado pelo movimento Avança Brasil e foi marcado pela revolta de simpatizantes do governo

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 19/10/2015 às 18:26
Foto: Tato Rocha/JC Imagem
Evento que trouxe a boneca inflável foi organizado pelo movimento Avança Brasil e foi marcado pela revolta de simpatizantes do governo - FOTO: Foto: Tato Rocha/JC Imagem
Leitura:

Saindo em defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff (PT), a União da Juventude Socialista (UJS) assumiu a responsabilidade pela depredação da boneca inflável da presidente, satiricamente chamada de "Bandilma". A alegoria, de 14 metros de altura, foi montada nesse domingo no Segundo Jardim de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, quando foi furada por uma mulher a favor da petista.

A UJS tomou para si a autoria do ato em uma postagem publicada em sua página do Facebook. No texto, o grupo defende que é "tarefa da UJS em qualquer lugar do País" seguir o exemplo de Manu Thomaziello, estudante que rasgou o boneco de Lula conhecido como “pixuleco” em Brasília.

"Furamos no Distrito Federal, Alagoas e na terra dos altos coqueiros não seria diferente, o boneco batizado de “Bandilma” acusando a presidenta de 'mãe do petrolão' sem nenhum fundamento legal e jurídico que confira a presidenta alguma responsabilidade é um atentado à democracia e a verdade", afirma o grupo, em nota.

O evento que trouxe a boneca foi organizado pelo movimento Avança Brasil e foi marcado pela revolta de simpatizantes do governo, num conflito que precisou da intervenção da Polícia Militar e acabou na detenção de manifestantes pró e contra Dilma.

"Furamos um boneco criminoso, difamatório e sem nota fiscal! Furamos o boneco e furaremos quantas vezes for necessário para defender a democracia e as conquistas do povo brasileiro! Estamos com Dilma", defende a União da Juventude. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias