impeachment

No Senado, impeachment não será influenciado por pressões, diz FBC

Único senador de Pernambuco na comissão que analisará denúncia contra Dilma Rousseff, Fernando Bezerra Coelho não vê ambiente bom para o governo

Paulo Veras
Paulo Veras
Publicado em 21/04/2016 às 8:05
Foto: Pedro França/Agência Senado
Único senador de Pernambuco na comissão que analisará denúncia contra Dilma Rousseff, Fernando Bezerra Coelho não vê ambiente bom para o governo - FOTO: Foto: Pedro França/Agência Senado
Leitura:

Único pernambucano já indicado para a comissão do Senado que analisará o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o ex-ministro da Integração Nacional Fernando Bezerra Coelho (PSB) disse não acreditar que o resultado do processo será influenciado por pressão do governo ou do grupo pró-impeachment. Para o socialista, porém, o cenário hoje é desfavorável para os petistas.

“Não vai ter muito tumulto. Porque a única coisa que não está definida é se o relator vai usar todo o prazo regimental (de dez dias). E essa é uma decisão de ordem pessoal”, explicou. Após a apresentação do relatório analisando a denúncia contra Dilma Rousseff, o plenário do Senado precisa votar em 48 horas se aceita ou não julgar o impeachment. Se 41 senadores admitirem a abertura do processo, a presidente é afastada por 180 dias até que seja batido o martelo.

“O governo ganhou um pouco mais de prazo (adiando a instalação da comissão para a próxima semana). Mas não tem a chance de ter nem o presidente nem o relator da comissão, porque o bloco de senadores do governo ficou apenas como o terceiro maior”, adiantou Bezerra Coelho. “E a maioria dos nomes anunciados é claramente favorável ao afastamento. A comissão é amplamente favorável ao impeachment”, emendou o socialista.

É o caso dele e do outro senador do PSB que integrará o colegiado: Romário (RJ). Dos sete nomes do partido na Casa, cinco defendem a saída de Dilma do cargo e apenas dois acreditam que ela deveria continuar na presidência.

Fernando Bezerra Coelho também diz não acreditar que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), possa influenciar o andamento do impeachment na Casa. Renan, que já disputou influência dentro do PMDB com o vice-presidente Michel Temer, vai presidir a sessão que decidirá se instaura a denúncia e afasta Dilma Rousseff do gabinete.

“Ele tem dito que o que ele não quer é atropelar prazos que possam levar à judicialização do processo”, disse. Apesar disso, o pernambucano não acredita que o Senado leve os seis meses de prazo máximo para apreciar o impeachment. “Com Collor foi pouco menos de 90 dias”, lembra.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias