Alepe

Deputados visitam rio São Francisco e avaliam riscos após tragédia em Brumadinho

O objetivo é analisar a contaminação do rio e os impactos nos usos múltiplos das suas águas

Da Editoria de Política
Da Editoria de Política
Publicado em 03/06/2019 às 10:08
Notícia
Foto: Acervo JC Imagem
O objetivo é analisar a contaminação do rio e os impactos nos usos múltiplos das suas águas - FOTO: Foto: Acervo JC Imagem
Leitura:

Nesta segunda-feira (03), a Frente Parlamentar em Defesa do Rio São Francisco irá realizar uma audiência pública em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, para discutir os riscos que o Velho Chico corre após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG). Entre os objetivos, estão a análise da contaminação do rio e os impactos nos usos múltiplos das suas águas.

O evento será conduzido pelo deputado estadual Lucas Ramos (PSB) e acontecerá na Câmara dos Vereadores do município. "Estamos somando esforços para construirmos soluções que possam evitar uma contaminação das águas do rio mais importante do Nordeste, o que prejudicaria diretamente a agricultura familiar e irrigada, a pesca artesanal, o abastecimento, o turismo e a geração de energia”, explicou o coordenador do colegiado, Lucas Ramos.

“Após realizarmos reuniões no Recife, Cabrobó e Floresta, levaremos o debate para a maior cidade do Sertão. Petrolina tem ligação forte com o São Francisco, e o desenvolvimento da nossa região depende da saúde do rio, portanto, é obrigação de todos defendê-lo”, completou. 

Também integram o colegiado os deputados Fabrizio Ferraz (PHS), Isaltino Nascimento (PSB), Dulcicleide Amorim (PT), Roberta Arraes (PP) e Pastor Cleiton Collins (PP).

Tragédia

A tragédia de Brumadinho, que aconteceu no dia 25 de janeiro, cobriu prédios administrativos da mineradora Vale, incluindo o refeitório onde muitos trabalhadores almoçavam no momento do desastre.

Na ocasião, uma usina de beneficiamento foi atingida, além de casas, uma pousada, propriedades rurais, plantações e área de Mata Atlântica em Brumadinho. Até agora foram confirmadas 244 mortes, e 26 pessoas continuam desaparecidas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias