PT-PE

Humberto une três chapas para ter maioria na eleição do PT-PE

Os grupos, que somam 2/3 dos delegados para a eleição do PT-PE, anunciaram a união em torno do candidato a presidência e deputado estadual Doriel Barros

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 16/09/2019 às 12:47
Notícia
Foto: Divulgação
Os grupos, que somam 2/3 dos delegados para a eleição do PT-PE, anunciaram a união em torno do candidato a presidência e deputado estadual Doriel Barros - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Três das seis chapas que concorrem para as eleições do diretório estadual do PT anunciaram nesta segunda-feira (16) que terão uma estratégica única para o pleito em torno do candidato à presidência da sigla e deputado estadual Doriel Barros (PT). O grupo, liderado pelo senador Humberto Costa (PT), possui 65,77% dos delegados para o Congresso Estadual, marcado os dias 19 e 20 de outubro, que vai eleger o novo diretório do partido. 

O número de delegados é proporcional aos espaços ocupados na direção estadual. Isso quer dizer que esses três grupos, unidos, terão 2/3 dos cargos. A chapa de Humberto, com Doriel na presidência, já tinha ficado em 1º lugar (36,77%) na edição do Processo de Eleição Direta (PED) do dia 8 de setembro, quando também foram eleitos os presidentes dos diretórios municipais e os delegados para participarem do Congresso Nacional do PT. Mas as chapas lideradas pelo secretário de Saneamento da Prefeitura do Recife, Oscar Barreto e pelo ex-vereador do Recife, Osmar Ricardo, que não tinham anunciado um candidato a presidente, juntaram-se oficialmente ao grupo.

Segundo Humberto, a partir de agora já será possível discutir a formação das chapas para os vereadores, em um cenário em que não poderá haver coligações, e as candidaturas próprias nas cidades estratégicas. "É preciso que o partido saia logo em busca de construir essa chapa para fazer essa a disputa e por outro lado também começar o debate dos municípios prioritários, quais são aqueles municípios onde o PT quer ter candidatos, onde é que é possível se fazer aliança ou não. Provável que nacionalmente a gente também abra um debate para construir um fórum com outros partidos de esquerda para discutir eleições municipais, para ver onde é possível estar junto e onde não é", disse Humberto. 

Integram o grupo nomes como o deputado federal Carlos Veras (PT), a deputada estadual Ducicleide Amorim (PT), o secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, Dilson Peixoto (PT), o secretário de Saneamento da Prefeitura do Recife, Oscar Barreto (PT) e a presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do estado de Pernambuco (Fetape), Cícera Nunes. 

Polarização

A divergência de posicionamento entre os grupos que disputam o comando do diretório no Estado é em relação a permanência ou não na Frente Popular, grupo de esquerda liderado pelo governador Paulo Câmara (PSB) em Pernambuco. A principal chapa adversária do grupo de Humberto é a “Força Militante”, liderada pela deputada federal Marília Arraes e pela deputada estadual Teresa Leitão (PT), ficou em 2º lugar com 29,12% dos votos. O seu candidato é o o atual presidente do PT-PE, Glaucus Lima e a vice, a vereadora de Petrolina Cristina Costa, adversária do grupo do ex-prefeito Odacy Amorim no município.

As demais chapas, DAP e Resistência Socialista tiveram 3,53% e 1,57% dos votos, respectivamente.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias