Grande Recife

Elias da Guarda é o novo presidente da Câmara de Itapissuma

Elias foi candidato único e recebeu oito votos, dos oito vereadores presentes

JC Online
JC Online
Publicado em 23/12/2019 às 12:00
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Elias foi candidato único e recebeu oito votos, dos oito vereadores presentes - FOTO: Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

Após o atual presidente da Câmara Municipal de Itapissuma, Jean Carlos Alves dos Santos (PSD), assumir a prefeitura da cidade, o vereador Elias da Guarda (PSDB) foi eleito para presidência da casa, nesta segunda-feira (23). Elias foi candidato único e recebeu oito votos, dos oito vereadores presentes. Três vereadores não compareceram à votação. A câmara e a administração municipal vem passando por uma série de mudanças após Operação Dragão do Mar, da Polícia Civil. 

Como o vereador Jean Carlos se tornou prefeito interino, Wellington França do PMN, que era suplente, assumiu uma vaga. Na ação da Polícia, foram afastados do cargo o prefeito José Bezerra Tenório Filho, conhecido como Zé de Irmã Teca (PSD); a vice-prefeita, Elionilda José de Santana (PP), e o presidente da Câmara de Vereadores, Jefferson Telles Alves Carneiro de Albuquerque, conhecido como "GG de Zé Antônio" (PSDB). O primeiro secretário da Câmara, Nivaldo Vicente da Silva (PMN), e um vereador também estiveram entre os alvos.

O agora presidente da câmara afirmou que não está feliz por estar assumindo o cargo e espera que os políticos afastados reassumam suas funções. "Ficamos surpresos com essa denúncia, mas ficamos confiante que tudo voltará ao normal. Também foi uma surpresa ser escolhido como presidente, agradeço a cada um dos que votaram em mim. Não estou feliz, porque o momento não é de felicidade, já que convivíamos juntos uns aos outros. Mesmo sabendo que é um processo sério de investigação em que se fala de corrupção, estamos confiantes de que tudo dará certo", afirmou. 

Elias também ressaltou a importância de dar andamento aos trabalhos na câmara e no executivo municipal. "A gente pretende ter uma reunião, acredito que amanhã ou depois, com todos os vereadores, para que a gente possa entrar em um consenso para continuar os trabalhos desta casa. Porque não pode ficar parado, o município tem que ter um gestor, como foi empossado ontem, e hoje eu assumi a presidência da câmara. Então a gente vai entrar para ver qual é a melhor forma de conduzir, quais pautas iremos pegar e continuar o trabalho, que volta no dia 6 de janeiro", comentou Elias, sobre o andamento dos trabalhos ", finalizou.

Jean Carlos assume prefeitura

O vereador Jean Carlos Alves dos Santos (PSD), que já foi presidente da Câmara Municipal de Itapissuma em legislaturas passadas, foi eleito, por unanimidade, para voltar ao cargo no domingo. A chapa de Jean Carlos recebeu oito votos, dos vereadores que permanecem na Câmara depois da investigação. Além dele, foi eleito para a Mesa Diretora o vereador Gonçalo Cunha Amaral (PSB), que assume como primeiro-secretário.

Na sessão também foram notificados os suplentes de vereadores que deverão ser empossados por causa do afastamento de parlamentares na investigação. Paulo Costa (PSB) vai assumir no lugar de Tonho (PSB), Irmã Jane (PSD) vai substituir Irmão Nivaldo (PMN) e Fábio Bento (PSDB) vai entrar na vaga de GG de Zé Antônio (PSDB).

Medidas cautelares

Além dos mandados de suspensão do exercício do cargo eletivos, estão sendo cumpridos 21 mandados de busca e apreensão domiciliar, 12 de afastamento da função pública, uma quebra de sigilo bancário e a suspensão do programa “Frente de Serviço". As medidas cautelares foram expedidas pelo desembargador Alexandre Guedes Alcoforado Assunção.

O delegado titular da Diretoria Integrada Especializada (Diresp), Jean Rockfeller, afirmou que a Polícia Civil chegou a pedir a prisão dos suspeitos, mas o pedido foi negado pela Justiça. "Solicitamos a prisão de todos os alvos da operação, mas o Poder Judiciário entendeu que ainda não era preciso prender os suspeitos", disse.

Além disso, os investigados estão proibidos de manter contato com as testemunhas. Para cumprir as ordens judiciais, a "Dragão do Mar" conta com a atuação de 156 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães.

Operação 'Dragão do Mar'

A ação da Polícia Civil, ligada ao Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco) da Diresp, visa combater uma organização criminosa responsável pelos crimes de falsidade ideológica, peculato, frustração de direito assegurado por Lei Trabalhista, dispensa e inexigibilidade de licitação fora das hipóteses legais, organização criminosa em concurso de agentes e em continuidade delitiva, além de crime de responsabilidade. Segundo a gestora do Draco, Sylvana Lellis, é possível que, caso seja necessário, a Dragão do Mar tenha outras fases. 

Últimas notícias