Opinião

Igor Maciel: Salvador deveria ser exemplo para o Recife na atração de verbas privadas

Um empreendimento feito com dinheiro totalmente municipal em Salvador foi concedido a uma empresa privada e pode render mais que 20 vezes o investimento nas próximas duas décadas. Leia o comentário de Igor Maciel

Marcelo Aprigio
Marcelo Aprigio
Publicado em 22/01/2020 às 11:21
Artigo
Foto: Divulgação/Pref. Salvador
Um empreendimento feito com dinheiro totalmente municipal em Salvador foi concedido a uma empresa privada e pode render mais que 20 vezes o investimento nas próximas duas décadas. Leia o comentário de Igor Maciel - Foto: Divulgação/Pref. Salvador
Leitura:

Igor Maciel, da coluna Pinga Fogo*

Na entrevista que concedeu à Rádio Jornal, nesta quarta-feira (22), o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) lembrou que, na eleição, falavam que ter prefeito e governador de partidos antagônicos (o governador Rui Costa é do PT e o anterior, Jaques Wagner, também) iria atrasar o desenvolvimento local. Pelo visto foi o contrário. Se fossem do mesmo partido, ACM nunca iria peitar um correligionário para fazer sozinho o Centro de Convenções, por exemplo, depois que o equipamento que existia antes, do governo estadual, desabou por falta de manutenção. Sendo colegas de partido, um evitaria constranger o outro. E a população que esperasse. Vai ver, o problema em Pernambuco é esse.

Comparar Recife com Salvador é um erro, porque uma das duas tem um gestor interessado em atrair verbas privadas para a manutenção e uso de equipamentos que colocam dinheiro na cidade e geram empregos. A outra é a capital pernambucana, que tenta combater o desemprego, entre outras medidas, distribuindo passagens de ônibus para que os desempregados possam entregar currículos. Iniciativa importante, é verdade, mas de pequeno efeito prático. A polêmica sobre o Centro de Convenções de Salvador só é polêmica aqui, lá é solução. O empreendimento foi feito com dinheiro totalmente municipal e concedido a uma empresa privada francesa, responsável pela gestão nos próximos 25 anos. O dinheiro investido pela prefeitura, R$ 130 milhões, deve render cerca de R$ 500 milhões por ano pelas próximas duas décadas e meia.

Leia mais comentários de Igor Maciel:

Se todo ano for de eleição, passagem de ônibus no Grande Recife nunca vai aumentar

PSB planta Bolsonaro na oposição pra colher no futuro

PSB quem procurou PSL, antigo partido de Bolsonaro, para aliança no Recife

Quando não havia eleição, as empresas de ônibus encontraram outro humor na recepção ao reajuste

Democracia em Vertigem usa uma narrativa de desencanto adolescente

A GL Events, que conquistou a concessão, já tem, segundo ACM Neto, mais de 20 eventos marcados para os próximos 12 meses. E a agenda ainda está aberta com grande procura. O impacto de R$ 130 milhões da prefeitura, hoje, pode gerar em 25 anos cerca de R$ 15 bilhões em movimentação financeira e isso inclui hotéis, transporte de passageiros e toda a estrutura ligada ao turismo em 50 setores. A expectativa é de que alguns eventos gerem até dois mil empregos temporários. E estamos falando de apenas um equipamento.

No Recife, só para termos um exemplo, o Geraldão está em obras desde 2013, inúmeros prazos de conclusão da obra foram apresentados e nada. A previsão é que se inaugure este ano, afinal, a gestão vai acabar. As justificativas da prefeitura pernambucana são variadas, mas geralmente colocam a culpa do atraso na crise e a culpa da crise no Governo Federal. É "o inferno são os outros” como política. E a população que espere.

*Igor Maciel é titular da coluna Pinga Fogo, no Jornal do Commercio

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias