Fogo amigo

Vice-líder do governo Paulo Câmara na Alepe coloca cargo à disposição

'Não tenho como ser vice-líder para um governo que persegue a população de Vitória', disse Aglailson Victor sobre atuação abusiva, segundo ele, do BPRV

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 29/01/2020 às 19:46
Foto: Reprodução/Instagram
'Não tenho como ser vice-líder para um governo que persegue a população de Vitória', disse Aglailson Victor sobre atuação abusiva, segundo ele, do BPRV - FOTO: Foto: Reprodução/Instagram
Leitura:

Atualizada às 20h02

Um dos vice-líderes do governo Paulo Câmara (PSB) na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Aglailson Victor (PSB) fez duras críticas à atuação do Batalhão de Policia Rodoviária (BPRv) no município de Vitória, seu reduto eleitoral, comandado pelo prefeito Aglailson Victor (PSB), que também endossou as críticas. O deputado, inclusive, colocou à disposição o seu cargo de vice-líder devido à falta de um posicionamento do Governo de Pernambuco sobre a questão. 

Segundo o deputado e o prefeito, os BPRv tem atuado de forma abusiva durante as blitzes realizadas em Vitória. "A gente vê eles violentando, espancando os pobres pais de família, especialmente os mototaxistas que lutam, saem de casa de casa todos os dias, com tanta dificuldade financeira, do trabalho, para conseguir o sustento da sua família", disse Aglailson Victor, e entrevista nesta terça-feira (28) na Rádio Atual FM. 

O deputado disse que, na segunda-feira (27), tentou entrar em contato pela última vez com Paulo Câmara e o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, e como não obteve resposta resolveu deixar o seu cargo à disposição. "Porque eu não tenho como ser vice-líder na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco para um governo que persegue a população de Vitória", disse. 

Além de cobrar o posicionamento do governador e de Pádua, Aglailson Victor disse ter falado com o secretário da Casa Civil, José Neto, mas também não obteve resposta. "Falei também com o próprio governador Paulo Câmara quatro ou cinco vezes pessoalmente, uma delas aqui na visita que ele fez a Pirituba há 15 dias atrás, ainda falei, acredito que umas 10 vezes via whatsapp, alertando o fato, falando da nossa insatisfação, falando de todo o constrangimento que a cidade de Vitória vem passando devido a esses abusos de poder, a essa violência que as amarelinhas vem fazendo", contou. 

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Victor (@aglailson_victor) em

O prefeito de Vitória, por sua vez, disse que não aceitaria a violência no município. "Eu até abandono a vida pública porque eu não vou aceitar, a não ser que eles tomem a posição deles, o que eles quiserem. Ou o governador toma uma decisão de uma vez por todas ou eu não vou aceitar a violência em Vitória de Santo Antão", afirmou Aglailson Junior. 

Resposta da SDS

Por meio de nota, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco afirmou que o BPRV e o BPTran tem atuado no Estado sem distinção entre os municípios.

"As blitzes e operações montadas visam o cumprimento do Código Brasileiro de Trânsito, a preservação da vida, a segurança e a sensação de tranquilidade por parte da população. Essa atuação tem resultado, em todo o território do Estado, na apreensão de veículos com chassi adulterado, motos sem placa, prisão de motoristas com porte ilegal de armas e drogas, entre outras irregularidades", diz trecho da nota. 

A pasta também garante que a Corregedoria Geral está disponível para receber denúncias sobre eventual "arbitrariedade ou excesso" por parte dos órgãos fiscalizatórios. 

A SDS informa que o órgão funciona em regime de plantão 24h (incluindo fins de semana e feriados) e está localizado na Avenida Conde da Boa Vista, nº 428, bairro da Boa Vista, área central do Recife. Para mais informações, disponibiliza o telefone 3184-2714.

> Líder do governo Paulo Câmara apazigua confronto entre aliados
> Críticas às secretarias são evidenciadas por deputados da Alepe
> Fogo amigo na base do governo de Pernambuco

Oposição de portas abertas

Apesar de Aglailson não ter afirmado que sairia da bancada do governo, o líder da oposição na Alepe, Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB), se mostrou aberto para receber o deputado no campo oposicionista. 

"Caso ele decida de fato deixar a base do governo será uma honra para todos nós termos em nossas trincheiras um deputado que fica do lado do povo e contra a opressão de um governo que não respeita o legislativo, inclusive os próprios deputados da base". 

Ele também prestou sua solidariedade para o prefeito Aglailson Junior e o deputado Aglailson Victor "jovem competente e que demonstra corajosamente que é contra a injustiça e a favor do povo". 

Aglailson, porém, afirmou ao JC que a "hipótese de ir para oposição não foi considerada". 

Críticas ao governo

Esta não é a primeira vez que o deputado Aglailson Victor critica pastas do Governo de Pernambuco. Em setembro, ele endossou as reclamações que já vinham sendo feitas por deputados governistas na Alepe contra o secretário de Turismo Rodrigo Novaes, alegando suposto privilégio dado pela pasta à municípios que são reduto eleitoral de Novaes, deputado estadual licenciado. 

Aglaison citou o cancelamento da festa de 30 anos de morte de Luiz Gonzaga, no Exu, Sertão do Araripe, segundo ele, por falta de apoio da pasta de Turismo. Também queixou-se da falta de ajuda para a realização da 18ª Exposição de Animais do Vale do Moxotó, em Custódia. 

Por meio de nota, a Secretaria de Turismo apontou na época que a pasta fez investimentos de fomento ao turismo em 85 municípios do Estado. Sobre Custódia, informou que o município recebeu R$ 120 mil para a festa de maio e não há pedidos junto à pasta em relação à Exposição de Animais, mas sim para a Secretaria de Agricultura. “Dos municípios onde o deputado Aglailson Victor teve apoio do prefeito nas últimas eleições, receberam ainda apoio pela Empetur: São Bento do Una, Macaparana, Brejão e Chã de Alegria”, dizia a nota. 

Também na época dos fatos, o líder do governo na Alepe, Isaltino Nascimento (PSB), ressaltou que a relação entre o governo estadual e os deputados estava sendo ajustada, e que isso seria ampliado com a atuação do novo secretário da Casa Civil, José Neto. Ele havia assumido a pasta em agosto de 2019. 

Com a saída do então secretário Nilton Mota e a entrada de José Neto, alguns governistas renovaram as esperanças de um melhor trânsito entre o Executivo e Legislativo, pelo próprio pacificador do novo secretário. 

O JC entrou em contato com o Governo de Pernambuco, a Polícia Militar - a qual o BPRV está ligado - e ao próprio BPRV, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria. 

Últimas notícias