Review

Assassin's Creed Liberation chega para os consoles

Título era exclusivo do PS Vita. Conversão sai para Xbox 360, Playstation 3 e PCs

Renato Mota
Renato Mota
Publicado em 29/01/2014 às 6:50
Título era exclusivo do PS Vita. Conversão sai para Xbox 360, Playstation 3 e PCs FOTO:
Leitura:

Final de geração. É hora de lançar tudo o que é possível, para todas as plataformas. Na semana passada, falamos aqui no JC da conversão para os consoles de Castlevania – Mirror of fate, da Konami. Agora, foi a vez da Ubisoft levar para o PC, Playstation 3 e Xbox 360 um título que até então era exclusivo do PS Vita: Assassin’s creed Liberation.

O game já possui, de cara, um diferencial: é protagonizado por uma mulher negra, Aveline de Grandpré, filha de um comerciante francês com uma africana. Por causa dessa origem, Aveline consegue circular pela Nova Orleans do século 18 com três identidades – madame, escrava e assassina.

Para quem é fã da série (como eu), Liberation é um ótimo jogo. Curto e com um bom enredo e cenários, encaixa perfeitamente entre a Guerra da Independência americana de Assassin’s creed III e a Era da Pirataria de Black Flag. Mas a versão em HD só vale se você não tiver um PS Vita, uma vez que a conversão, embora tenha melhorado levemente os gráficos, ficou devendo na jogabilidade. Fica claro que é um jogo criado para portátil (com ferramentas como touchscreen, entre outras) convertido para consoles.

Entretanto, se você não jogou Liberation no PS Vita, não deixe essa oportunidade passar. Ainda mais pelo preço, que é 1/4 do valor que se paga para um game lançamento. Além de Nova Orleans, o jogo também se passa nos pântanos da Louisiana e na cidade perdida maia de Chichén Itzá, no México. Como de costume em todo Assassin’s creed, o enredo usa e abusa de personagens reais, e explora o momento em que a região deixa de ser colônia francesa e passa para as mãos dos espanhóis. Ou seriam templários? Só jogando para saber...

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias