videogames

Hackers atacam serviços do PlayStation e Xbox

Sony e Microsoft informaram aos usuários a situação está sendo investigada e que o problema deve ser resolvido

Da AFP
Da AFP
Publicado em 26/12/2014 às 7:19
Foto: FREDERIC J. BROWN / AFP
Sony e Microsoft informaram aos usuários a situação está sendo investigada e que o problema deve ser resolvido - FOTO: Foto: FREDERIC J. BROWN / AFP
Leitura:

Atualizada às 16h10

Hackers reivindicaram na quinta-feira à noite um ataque contra os consoles de jogos pela internet PlayStation, da Sony, e Xbox, da Microsoft, informaram as duas empresas no Twitter.

A Sony informou que usuários enfrentam problemas de conexão e que os engenheiros estão investigando a situação.

A Microsoft fez um anúncio similar e destacou que trabalha para resolver o problema.

A interrupção dos serviços começou no dia de Natal, quando os jogos tradicionalmente são dados como presente.

Uma mensagem publicada no site do Xbox afirmou que o serviço de encontra "limitado", uma demonstração de que as equipes de suporte técnico estão procurando formas de solucionar o problema.

Uma conta do Twitter sob o nome "Lizard Squad" reivindicou os ataques contra as duas empresas e alegou que tem "a nação contra as cordas".

O nome Lizard Squad corresponde a um grupo de hackers que já provocou estragos no mundo on-line, como o ataque do início de dezembro contra a PlayStation Network e o Xbox Live.

Os usuários desta conta não responderam aos pedidos de comentários de parte da AFP e só iniciaram suas atividades na quarta-feira.

Amadores em busca de fama

Os estúdios de cinema Sony Pictures também foram alvo de um ataque cibernético no fim de novembro, que revelou milhares de e-mails de executivos e dados de 47.000 funcionários.

Os hackers que assumiram a autoria deste ataque exigiram da Sony que cancelasse o lançamento da sátira "A Entrevista", sobre um plano fictício da CIA para matar o líder norte-coreano Kim Jong-sun.

Após várias ameaças, os estúdios se viram forçados a cancelar a projeção do filme, mas poucos dias depois, voltou atrás e anunciou que o filme seria exibido na noite da Natal, conforme previsto, uma decisão aplaudida pelo presidente, Barack Obama.

O governo americano acusou Pyongyang de estar por trás do ataque porque o isolado país comunista tinha mostrado ter pouco senso de humor ante a paródia sobre seu líder.

Além de distribuir o filme em uma quantidade limitada de salas de cinema, a Sony Pictures a disponibilizou online, incluindo também o console Xbox, da Microsoft, e em seguida, o PlayStation, da Sony.

A conta @PlayStation, no Twitter, destacou nesta sexta-feira que está a par "de que alguns usuários estão tendo inconvenientes para acessar" ao serviço online e que os "engenheiros estão investigando".

Segundo alguns analistas, é improvável que haja uma conexão direta entre o ataque cibernético contra a Sony Pictures e o atual ataque a PlayStation e Xbox, e que este último mais pareça o trabalho de amadores em busca de fama.

"A escolha do momento sugere que isto é um ataque que pode ser colocado na categoria de adolescentes que querem seus cinco minutos de fama", disse Pierre Samson, da firma de segurança informática European Circle Security and Information Systems.

"Há muito poucas possibilidades de que isto tenha um vínculo direto com o ataque à Sony Pictures" e acrescentou que diariamente são lançados milhares de ataques similares, no geral sem êxito.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias