Letras

Será que o Brasil está preparado para a informalidade linguística no currículo escolar?

Leitor comenta o polêmico livro "Por uma vida melhor"

Maria Luiza Borges
Maria Luiza Borges
Publicado em 25/05/2011 às 21:27
Leitura:

Será que a educação brasileira está preparada para receber a informalidade linguística no currículo escolar? O livro Por uma vida melhor, Editora Global, adotado pelo MEC, causou polêmica ao considerar a linguagem informal em muitos dos seus textos. Dizem que é uma forma de “acabar com o preconceito”. Será?

Marcos Bagno, professor da Universidade de Brasília, afirma em seu livro “Preconceito Linguístico” que o indivíduo se comunica quando se faz entender em todos os níveis da sua língua de origem: no meio acadêmico, à mesa de um bar, no interior, na capital, com os mais velhos ou com as novas gerações, na internet, em qualquer lugar.

Importante discussão a do preconceito linguístico, mas existe um limite. Utilizar como referência no ambiente formal é exagero. O Brasil não tem maturidade para isso, então que este livro fique no limiar da polêmica. Caso contrário, "Sacavc" lendo um "lance" aqui e achar um "bisurdo" todo esse "pobrema" e não poder mover uma "preda" pra "miorar" essa "coza"?    

 

 

Adauto Júnior – Recife

juniorsrd@hotmail.com

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias