Cena Política

Semipresidencialismo proposto por Arthur Lira seria uma fábrica de confusões no Brasil

No Brasil em que o povo não se sente representado pelo parlamento e políticos entregam até a própria mãe para não assumirem culpa por nada, teríamos um primeiro-ministro por mês

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 21/07/2021 às 7:00
Análise
FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados - FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Para quem conhece como funciona o sistema semipresidencialista, que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), está propondo, a única expressão que vem à cabeça é: "No Brasil, não dá certo".

Os brasileiros, aliás, precisam parar de buscar fórmulas lá fora para implantar por aqui, como se fosse apenas copiar uma receita de bolo. O forno aqui é diferente.

 

Vale para os "liberais" em verde e amarelo que acreditam ser possível trazer o modelo norte-americano para o sul.

O mesmo vale para quem quer as estradas de alta velocidade da Alemanha para acelerar aqui.

Sempre que alguém viaja para a Europa e volta falando que se deveria trazer algo para o Brasil, é necessário complementar: "traz o povo de lá, também".

Não é que eles sejam melhores, nem mais bonitos. É que o molde é outro. Vale para o sistema semipresidencial que vigora na França, por exemplo. Tem que trazer os eleitores e os políticos de lá, junto com a receita.

Sem falar que o modelo que Lira defende não é o que existe na França, exatamente, mas o que vigora em Moçambique.

No dos franceses, o presidente escolhe o primeiro ministro, mas só pode demiti-lo se dissolver o parlamento inteiro.

No modelo moçambicano, o presidente é eleito e escolhe o primeiro-ministro, mas pode trocá-lo quando quiser. 

No Brasil em que o povo não se sente representado pelo parlamento e políticos entregam até a própria mãe para não assumirem culpa, teríamos um primeiro-ministro por mês.

Comentários

Últimas notícias