Opinião

Maioria dos brasileiros não tem preferência por marca da vacina contra covid-19, diz pesquisa

Leia a opinião de Cláudio Humberto

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 02/03/2021 às 6:48
Notícia

Tânia Rêgo/Agência Brasil
Levantamento aponta que 70,2% não considera importante o direito de escolher a marca da vacina contra a covid-19 - FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Leitura:

Sem preferência de vacina

Levantamento exclusivo do Paraná Pesquisa para o site Diário do Poder e esta coluna revela que a grande maioria dos brasileiros (70,2%) não considera importante o direito de escolher a marca da vacina; apenas 29,8% gostariam de ter opções. Mas, solicitados a apontar uma vacina confiável, apenas 20,5% se dizem indiferentes. A maioria escolhe a CoronaVac (23,6%), seguida da AstraZeneca (21,2%) e Pfizer (11,3%). A vacina da Johnson & Johnson aparece em 4º lugar com 9%. Somadas as outras citações, como as vacinas russas, são 4,1% da preferência.

A vacina AstraZeneca/Oxford é a preferida na faixa etária de 45 a 59 anos e também entre os entrevistados com ensino superior completo. No Brasil, o governo projeta distribuir 230 milhões de doses de vacinas até julho. Dessas, são 130 milhões só da chinesa Coronavac. O instituto Paraná Pesquisa entrevistou 2.070 pessoas entre 24 e 26 de fevereiro, em 192 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal.

Lockdown deve ser atenuado no DF

O governador Ibaneis Rocha faz uma reavaliação do decreto de lockdown de 15 dias, no Distrito Federal. "A ideia é flexibilizar um pouco algumas atividades a partir da próxima segunda (8)", segundo ele próprio confirmou. O restante das atividades devem ser autorizadas a retomar a normalidade ao final dos quinze dias de vigência do decreto. Ele está trabalhando para acrescentar, até domingo (7), mais 130 leitos de UTI à rede de saúde do DF, ganhando uma folga que permita a flexibilização.

O governador monitora a todo instante a ocupação de leitos em UTI. Era de 97,4% domingo, caiu ontem para 90,4%, com apenas 22 disponíveis. No fim da tarde, o governo distrital conseguiu articular novos leitos de UTI no DF. Serão mais 130 até domingo, 221 até quarta-feira (12). O governador do Distrito Federal explicou que novos leitos de UTI serão viabilizados em termos aditivos aos atuais contratos e pela ampliação da rede privada.

Outra fake news

Após o novo aumento criminoso no preço dos combustíveis, anunciado nesta segunda (1º), uma pergunta não quer calar: o que foi feito da fake news "interferência de Bolsonaro na política de preços da Petrobras"?

Oportunismo

Na contramão dos secretários de Saúde, o Conselho Regional de Medicina divulgou nota contra lockdown no DF, afirmando ser "ineficaz". Bolsonaro fala mal do lockdown há um ano, mas o CRM-DF se calou.

Frase

Estou trabalhando muito para tirar a cidade da crise rapidamente" - Ibaneis Rocha (MDB), governador do DF, que se viu obrigado a decretar lockdown total

Fone Difícil

A tecnologia prega peças e o marketing também. O serviço "Fone Fácil" do Bradesco virou piada pronta. Ninguém atende. Uma gravação informa há dias que "o número chamado se encontra fora da área de cobertura".

Isto é Brasil

Análise da FSA Inteligência indica 20% de chance de o STF devolver os direitos políticos de Lula até 2022, apesar de mais de 3 mil provas e indícios de crimes. A consultoria considera "provável" a anulação da sentença do caso do tríplex, por "suspeição" do então juiz Sergio Moro".

Metade do pior

O Centro de Macroeconomia Aplicada da Escola de Economia da FGV estima alta de 2,17% no PIB do Brasil no 4º trimestre de 2020. E 2020 deve fechar com queda de 4,36%, metade dos 8% previstos em agosto.

Jogando contra

Está prevista para o dia 24 a votação no Congresso do Orçamento da União de 2021, que deveria ter sido aprovado até dezembro não fosse o pouco caso do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia, que o engavetou.

 

 

Comentários

Últimas notícias