opinião

Falta de firmeza do presidente da Petrobras fez com que ele perdesse o controle sobre a corporação da estatal

O Planalto já concluiu que o general Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras, tanto quanto seu antecessor, perdeu o controle sobre a corporação na estatal, sobretudo gerentes e superintendentes que agem como se fossem os "donos", ignorando diretrizes e sobretudo desafiando orientações do acionista majoritário, representado pelo presidente da República. Leia a opinião de Cláudio Humberto

Cláudio Humberto
Cadastrado por
Cláudio Humberto
Publicado em 16/11/2021 às 6:33 | Atualizado em 16/11/2021 às 6:37
FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL
PESADO Para ajustar ao preço internacional, gasolina subiria R$ 1,38/litro - FOTO: FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Sem controle da Petrobras

O Planalto já concluiu que o general Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras, tanto quanto seu antecessor, perdeu o controle sobre a corporação na estatal, sobretudo gerentes e superintendentes que agem como se fossem os "donos", ignorando diretrizes e sobretudo desafiando orientações do acionista majoritário, representado pelo presidente da República. A conclusão é que faltou firmeza ao general para assumir o controle, substituindo esses chefetes por executivos de sua confiança. Bolsonaro elogia em conversas reservadas a gestão do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, que assumiu de fato o comando do banco. Guimarães trocou uma centena de chefes por funcionários de confiança, incluindo vice-presidentes e superintendentes. A Caixa deu um salto. Ao contrário da Petrobras, que só prioriza lucros cavalares, na Caixa prevalece a redução de juros e o aumento da eficiência. Chefetes da Petrobras agem como "donos", forçando preços abusivos, mas são muito afáveis com grupos de pressão de acionistas privados.

193 passaportes diplomáticos

Os 81 senadores acumulam, além de gordos salários (R$33,7 mil/mês), verba de gabinete (R$160 mil/mês) e um super cotão para o que quiserem (R$44 mil/mês), 193 passaportes diplomáticos, que dão direito a furar fila na imigração e outras benesses na entrada e saída dos países. A regalia se estende a cônjuges e filhos (até adultos), que não têm qualquer função pública e, em teoria, sequer acompanham os parlamentares em missões oficiais. Campeão dessa mamata, Omar Aziz, presidente da CPI da Pandemia, garantiu seis passaportes vermelhos. Além dos senadores, cônjuges, filhos e enteados, os passaportes são emitidos também para suplentes, quando tomam posse, e familiares. Romário (PSB-RJ) aparece na lista como único senador que teve o passaporte diplomático "extraviado". Recebeu um segundo prontamente. Conhecido pelo zelo com dinheiro público, caso raro entre os senadores, Reguffe (DF) é o único a dispensar a regalia do passaporte diplomático.

Vida difícil

O partido Podemos, que pediu o afastamento de Davi Alcolumbre (DEM-AP) da presidência da CCJ, diz que as denúncias de rachadinha contra o amapaense também serão investigadas pelo Conselho de Ética.

Demora recorde

A indicação do ex-ministro André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal completa esta semana, dia 19, três meses estacionada na gaveta do senador Davi Alcolumbre, na CCJ do Senado.

Pela culatra

O governador Helder Barbalho (MDB) diz ter ido à COP26 apresentar ao mundo a "estratégia" para "manter a floresta em pé". Ainda bem. O Pará é o estado que mais desmata e registra queimadas no Brasil.

Não divulgam

Só 2,8 milhões de quilômetros quadrados preservados das propriedades rurais no Brasil são maiores que cada um de 186 dos 195 países do mundo. Mas isso foi ignorado no noticiário sobre a COP26, em Glasgow.

Embaixador

O governo de Portugal deve anunciar a qualquer momento o agrément ("aprovação") do ministro do TCU Raimundo Carrero para chefiar a embaixada do Brasil em Lisboa. A indicação de Carrero, amigo pessoal do presidente Jair Bolsonaro, ainda passará por sabatina no Senado.

Dedicação

Ex-secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Orlando Leite Ribeiro será embaixador em Madri, ambicionado posto da diplomacia. É a força da ministra Tereza Cristina.

 

Comentários

Últimas notícias