finanças

Crianças e educação financeira: construa essa relação

Boa parte de nós, não teve acesso e orientação sobre educação financeira durante a infância, adolescência e até mesmo na vida adulta

Leandro Trajano
Leandro Trajano
Publicado em 06/09/2020 às 18:00
Notícia

Pexels
O dinheiro faz parte da vida das crianças, independente da idade - FOTO: Pexels
Leitura:

Venho aqui falar de uma relação que muitos acham que não existe, mas ela vai ser construída de uma forma ou de outra, queira você ou não. O dinheiro faz parte da vida das crianças, independente da idade. Costumo dizer que essa é a relação mais longa que temos na vida, de repente ele interfere no local que nascemos, na escola que estudamos, no local que moramos, na próxima viagem, internacional, nacional, ou se nem vai viajar de férias. Boa parte de nós, não teve acesso e orientação sobre educação financeira durante a infância, adolescência e até mesmo na vida adulta. Então, é importante levar essa relação para as crianças, de forma consciente no momento que for mais adequado ao longo da infância.

A mesada, por exemplo, é questionada por alguns, indicada por outros, e na minha visão, se bem utilizada, é sim um excelente meio de dar uma base interessante, uma ferramenta que pode ser para começar uma orientação de forma mais prática. Na verdade, não precisa necessariamente ser uma mesada, pode ser semanada ou quinzenada, de acordo com a idade da criança e domínio, entendimento que ela tem em relação ao tempo. Quanto ao valor, vai de acordo com o que a quantia vai suprir, com o seu objetivo ao querer repassar esse valor, é para o lanche da escola? para comprar alguma coisa em alguns passeios quando estiverem juntos? Por exemplo, se a semanada é para o seu filho comprar o lanche na escola, e ele gasta R$ 5 por dia, recomendo que você dê R$ 20 por semana. Você pode pensar que não vai ser suficiente. É verdade, precisaria R$ 25, mas na vida, certamente, você não teve tudo o que quis. Dessa forma, você pode motivar o seu filho a levar um lanche de casa ou, se ele quer comprar na escola, ele teria que diminuir a média do valor diário. Com isso, a criança se depara com a situação de escolha e se prepara para a vida adulta. Isso é educar financeiramente, parte do processo!

Outra forma de educar com a mesada é em relação à antecipação. Se seu filho diz que o dinheiro que tem, já não é suficiente ou acabou, e pede que antecipe algum valor, você pode fazer isso, desde que, naturalmente, desconte no próximo repasse para ele (semana, quinzena ou mês) e abata também uma pequena taxa pelo fato de ter antecipado o valor pedido. Por outro lado, se ele consegue ter sobra, você pode dar um valor a mais, um valor de impacto mesmo 50% ou dobrar o valor que ele poupou, para que perceba o ganho de forma clara. Tudo isso faz com que ele compreenda que quando gasta mais do que pode, e precisa de dinheiro emprestado, ele tem que pagar uma taxa chamada de juros pela antecipação, e que vai ser penalizado por ter menos recursos para o mês seguinte, já que antecipou o valor com o pedido feito. Por outro lado, se sobra dinheiro, ou seja, consegue poupar, é agraciado com o recebimento de juros. E isso é educar, é educação financeira, sendo construída em doses homeopáticas e que certamente estará dando uma base sólida para o que terá pela frente na vida adulta.

As idas ao supermercado são ótimas oportunidades para orientar as crianças da forma que elas podem usar o dinheiro. Você pode estimular o uso da mesada na ida ao supermercado, fazendo com que a criança valorize o seu dinheiro, entendendo melhor o preço das coisas em relação ao que ela dispõe, e acho também bastante interessante estipular, entregar um valor para que ela faça as próprias escolhas nessa ida. Muito provavelmente, ela não vai ter o suficiente para tudo o que quer, e assim, vai precisar elencar as prioridades ou juntar mais dinheiro para comprar algum item na próxima ida ao supermercado, uma vez que nesta próxima ida, receberá novamente um valor, e com isso aprende a esperar, a poupar, juntar para conseguir o que deseja. Assim como acontece na vida adulta, a ideia é colocar a criança em situações similares para que ela passe por situações de escolhas, e isso dará uma base sólida para essa construção.


Abraço e até a próxima!

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias