volta às aulas

'Educação não é prioridade', diz presidente do Sindicato das Escolas Particulares sobre suspensão das aulas

Declaração foi dada durante uma entrevista concedida à Rádio Jornal na tarde desta segunda-feira (14)

Bruna Oliveira Margarida Azevedo
Bruna Oliveira
Margarida Azevedo
Publicado em 14/09/2020 às 17:48
Notícia
YACY RIBEIRO/ JC IMAGEM
Esperamos que o que foi acordado na convenção coletiva de trabalho seja mantido e respeitado pelos professores", afirma o presidente do Sinepe, José Ricardo Diniz - FOTO: YACY RIBEIRO/ JC IMAGEM
Leitura:

Após o governo de Pernambuco prorrogar, pela sexta vez, o decreto que suspende aulas presenciais no Estado para escolas da educação básica, o presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Pernambuco (Sinepe), José Ricardo Diniz, afirmou que está "estarrecido" com a decisão e que a "educação não é prioridade" do Estado. A declaração foi dada durante uma entrevista concedida à Rádio Jornal, na tarde desta segunda-feira (14).

"A nota que o Governo do Estado soltou para os veículos de comunicação pode trazer algumas leituras bem claras. Primeiro que educação não é prioridade, isso está sacramentado e está na contramão dessa realidade" disse José Ricardo Diniz. Em pernambuco, há cerca de 2.400 escolas particulares, no qual estudam 400 mil alunos.

Na nota citada pelo presidente, o governo afirmou que a decisão de prorrogar até o dia 22 de agosto foi tomada após uma reunião do Enfrentamento à covid-19. " O Governo de Pernambuco, após reunião do Gabinete de Enfrentamento à COVID-19, decidiu prorrogar até o dia 22, a suspensão das aulas presenciais na Educação Básica em todo o Estado. Os dados serão avaliados novamente na próxima segunda-feira, para deliberação sobre o cronograma do plano de retorno das redes pública e privada", disse o texto.

Para o presidente, um outro ponto importante é que, segundo ele, o único local em que não ocorreria as aglomerações que estão acontecendo em feriados, fins de semana e no dia a dia, seriam as escolas, visto que a volta às aulas exigiria um controle rígido com protocolos. Ele também fez comparações de Pernambuco com outros lugares do Brasil, como Manaus, que já teve as aulas retomadas.

Nesta segunda-feira, o presidente irá se reunir com o Comitê de Crise e na terça-feira (15) haverá uma assembleia em que será decidido se a categoria irá realizar um novo protesto contra a decisão do Estado. Durante a conversa, José Ricardo Diniz ainda afirmou que acredita que o posicionamento do governo tem a ver com questões políticas, mas quando foi questionado sobre o assunto, no entanto, disse que não gostaria de entrar em detalhes.

Aprovação dos pais

De acordo com o presidente, os pais dos alunos têm apoiado o retorno das atividades presenciais. "Fizemos uma nova pesquisa com cerca de 20% das escolas, que equivale a 500 instituições, e mês a mês vem subindo a confiança dos responsáveis", declarou.

De acordo com ele, o apoio dos responsáveis está ocorrendo, porque eles estão percebendo como os filhos estão emocionalmente e presenciando a exposição às aulas remotas, que, ainda segundo o presidente, não é algo ruim, mas que deve também haver a opção do ensino presencial.

Noronha

Apenas o arquipélago de Fernando de Noronha está autorizado pelo governo a voltar às aulas. Será a partir da próxima semana, no dia 22 de setembro. A ilha tem apenas uma escola e uma creche, ambas vinculadas à rede estadual, somando 619 alunos.

A autorização para o reabertura das escolas em Noronha se deu porque a ilha, segundo o governo, não registra transmissão comunitária da covid-19 desde o final de abril. Os primeiros a voltarem ao ensino presencial serão os 402 estudantes da Escola de Referência em Ensino Fundamental e Médio (Erem) Arquipélago Fernando de Noronha, a partir do dia 22 de setembro.

Nessa data, voltam os alunos do ensino médio. Na terça-feira seguinte, 29, serão os dos anos finais do ensino fundamental. E por último, em 6 de outubro, os estudantes das séries iniciais do fundamental.

Para os 217 alunos da creche, o Centro Integrado de Educação Infantil (CIEI) Bem-Me-Quer, a liberação ocorre a partir de 13 de outubro. Nessa data vão ser liberados as crianças da educação infantil. Uma semana depois, em 20 de outubro, retornarão os pequenos que ficam no berçário

Comentários

Últimas notícias