Abin

ABIN usou programa secreto para rastrear pessoas durante governo BOLSONARO

Uma investigação interna foi aberta visto que a agência não possui a autorização legal para ter acesso a dados privados

Imagem do autor
Cadastrado por

Eduarda Melo

Publicado em 14/03/2023 às 10:42 | Atualizado em 14/03/2023 às 10:50
Notícia
X

Durante os três primeiros anos da gestão de Jair Bolsonaro (PL) na presidência, a Abin (Agência Nacional de Inteligência) usou um sistema secreto para rastrear a localização de cidadãos em todo território do Brasil.

De acordo com o jornal O Globo, a ferramenta secreta permitia, sem nenhum protocolo oficial, o monitoramento da localização de até 10 mil celulares a cada 12 meses.

ABIN RASTREAVA SEM AUTORIZAÇÃO MAIS DE 10 MIL DONOS DE CELULARES

O jornal coletou documentos e relatos de servidores da Abin, que disseram que até mesmo integrantes do órgão levantaram questionamentos sobre a ação.

Uma investigação interna foi aberta visto que a agência não possui a autorização legal para ter acesso a dados privados.

A ferramenta israelense que se chama "FirstMile" permitiu que a Abin pudesse identificar a “localização da área aproximada de aparelhos que utilizam as redes 2G, 3G e 4G.

A ferramenta foi comprada ainda na gestão temer por R$ 5,7 milhões e foi utilizada pelo governo Bolsonaro até meados de 2021.

De acordo com a reportagem, a cada 12 meses era possível fazer a consulta de até 10 mil celulares.

A ferramenta era utilizada para monitorar casos de "segurança de estado", de acordo com os relatos. Para iniciar o rastreio, era necessário apenas o número de celular do alvo.

O "FirstMile" permitia também criar um histórico de deslocamentos das pessoas monitoradas.

Sob a condição de permanecer anônimo, um integrante do alto escalão da Abin disse ao Globo que o sistema operava em um "limbo legal".

Tags

Autor