Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Criptomoedas. O que é isso e por que o mundo hoje passou dia falando da desvalorização do Bitcoin?

Nos últimos dias, muito se falou sobre o Bitcoin nas redes sociais e noticiários de economia

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 19/05/2021 às 16:30
Notícia
Foto: Pixabay
Assim como outras ações e investimentos financeiros, os investimentos envolvendo as moedas virtuais devem ser declarados - FOTO: Foto: Pixabay
Leitura:

Para quem mal consegue deixar o dinheiro na Caderneta de Poupança ou, no máximo, aplicou no Tesouro Direto porque isso significa emprestar dinheiro ao Governo e, portanto, ter garantia total de segurança, não deixa de ser curioso ver que em todas as redes sociais e noticiários de economia só de falou da queda da cotação do Bitcoin.

Faz sentido. Afinal, do dono da Tesla, o famoso Elon Musk, a Neymar Jr., a palavra "Bitcoin" vem mesmo chamando muita atenção. E todos disseram que a cotação das criptomoedas desabaram.

JIM WATSON / AFP
Elon Musk, o fundador da fábrica de veículos elétricos Tesla investiu US$ 1,5 bilhão em bitcoin. - JIM WATSON / AFP

Bom, o que aconteceu hoje foi que o Banco do Povo da China (PBoC), o Banco Central dos chineses, emitiu um alerta, sobre o alto nível de especulações das criptomoedas.

O PBoC proibiu instituições financeiras e de pagamentos de realizarem operações com essas moedas, o que assustou a imprensa da China e os analistas do mundo inteiro.

Um detalhe chamou a atenção o alerta foi feito por meio de sua conta no aplicativo WeChat. O WeChat é o WhatsApp dos chineses. A diferença é que lá eles usam o WeChat para tudo e fazem bilhões de transações comerciais pelo aplicativo.

O WeChat é igual a WhatsApp só que ele foi criado por que escrever mensagens no celular com os 5 mil caracteres da escrita mandarim é um negócio complicado. Então o forte do WeChat é a fala. Se faz praticamente tudo na china com o WeChat, que tem até uma versão em português.

Bom, voltemos ao Bitcoin. Segundo o jornal Financial Times, os mercados de chamadas criptomoedas despencaram em meio a negociações caóticas nesta quarta-feira.

O temor foi que as autoridades reguladoras chinesas intensifiquem medidas repressivas contra instituições financeiras que usam essas moedas digitais.

Isso foi que fez o tal da bitcoin perder cerca de US$ 12 mil em valor, ou quase 30%, descendo para pouco mais de US$ 30 mil ou quase 30%, descendo para pouco mais de US$ 30 mil. Por volta das 14h, a bitcoin voltou para cerca de US$ 40 mil, mas ainda estava recuando 8%.

>>Brasil já é o 3º país que mais consome cerveja no mundo

>>Como se proteger dos golpes nas redes sociais que usam o WhatsApp

>>Warren Buffett. O vovô de 90 anos que já doou US$ 37 bilhões e ainda tem US$ 100 bilhões

O Bitcoin é uma espécie de dólar americano do mercado de criptomoedas. Por isso, a segunda moeda mais importante desse mercado, o Ethereum, chegou a perder cerca de 40% de seu valor. Mais de US$ 8 bilhões em posições foram liquidadas nas últimas horas.

Para quem são sabe nada desse mundo de criptomoedas, é importante saber algumas curiosidades. Por exemplo, o tal do Bitcoin é uma espécie de arquivo digital desenvolvido em computador que as pessoas atribuem um valor.

Essas moedas são finitas, ou seja, são como uma moeda comemorativa, da qual foram cuinhadas apenas um pequeno número de moedas. No caso do Bitcoin, foram geradas apenas 20 mil moedas. Então, quem tem uma dessas criptomoedas pode vendê-las a quem está interessado.

Outra característica da tal criptomoeda é que ela não está ligada a nenhum banco central. Ou seja, ninguém manda nelas. É um mercado que existe na confiança exatamente porque quem defende as criptomoedas não quer ser regulado.

Então, quando o Banco do Povo da China (PBoC) o Banco Central dos chineses diz que pode começar a regular as operações, todo mundo fica preocupado.

Primeiro porque, como se diz aqui no Brasil, “na China tem diretoria” e, se o PBoC disse que vai controlar criptomoeda, as criptomoedas, ao menos na China vão ser controladas.

O problema é que hoje todo mundo quer aplicar em criptomoeda. Por exemplo. No começo do ano, quando o CEO da Tesla, Elon Musk, disse que a fabricante de carros elétricos aceitaria vender seus carros por criptomoeda, devido a preocupações ambientais, o Bitcoin deu um salto de valorização.

Mas, na semana passada, a empresa avisou que não aceitaria mais as criptomoedas. Além disso, Brindes falsos prometidos por celebridades, como Elon Musk, estão sendo usados por golpistas para lucrar com juros em criptomoedas.

Segundo os analistas, somente hoje, as criptomoedas perderam mais de US$ 600 bilhões em valor em apenas uma semana e estão recuando de forma tão acentuada que analistas já se perguntam quanto vai durar o boom do dinheiro virtual nos mercados.

Foi o pior momento das negociações nesta quarta-feira. As perdas das criptomoedas chegaram perto de US$ 1 trilhão. Mas o Bitcoin depois, voltou ao patamar de US$ 40 mil.

O Bitcoin ainda vai continuar no centro de muitas discussões, mas é um negócio de alto risco. Afinal, assim como tem gente como o CEO da Tesla, Elon Musk, que aposta nele, tem gente como o mega investidor Warren Buffett, que diz que Bitcoin é veneno de rato ao quadrado.

Comentários

Últimas notícias