Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Tributaristas avaliam que decisão de André Mendonça em suspender nova tributação do ICMS do diesel está correta

Mendonça atendeu ao pedido feito pelo governo federal para derrubar a decisão do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) sobre a política de ICMS dos estados sobre o diesel

Fernando Castilho
Cadastrado por
Fernando Castilho
Publicado em 16/05/2022 às 8:31 | Atualizado em 16/05/2022 às 8:56
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Ex-secretário da Receita Federal avalia que decisão de André Mendonça sopre ICMS de óleo dieselestá correta. - FOTO: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

A decisão do ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), que atendeu, na noite da última sexta-feira (13), ao pedido feito pelo governo federal para derrubar a decisão do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) sobre a política de ICMS dos estados sobre o diesel continua repercutindo entre os juristas. Inclusive entre dois pernambucanos.

O ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel procurou uma justificativa bem pessoal: “A alíquota é uniforme. Não venham esbofetear a gramática", avaliou o especialista e consultor empresarial.

O tributarista Eric Castro e Silva, também especializado em ICMS, avalia que, tecnicamente, a decisão de André Mendonça se sustenta.

“O problema, como sempre no Brasil, é a politização da questão. O presidente Jair Bolsonaro, antes mesmo do sorteio que designou André Mendonça, disse que pedia a Deus que caísse num dos 'seus ministros do STF', que tinha 20% de chance".

DIVULGAÇÃO
TRIBUTARISTA ERIC CASTRO E SILVA - DIVULGAÇÃO

Para Castro e Silva, a questão é bem complexa. O que a Constituição autoriza e a LC 192/22 realizou foi instituir a monofasia para a cobrança dos combustíveis.

"Ora, pela monofasia, o ICMS, que normalmente é cobrado a cada etapa do ciclo produtivo (Refinaria - Distribuidora - Postos - consumidor), fica sendo cobrado exclusivamente no primeiro elo da cadeia, na refinaria. Com isso não há mais incidência do imposto nos demais elos (Distribuidora - Postos - Consumidor)", diz Castro e Silva.

Em março, o Confaz celebrou um convênio do ICMS entre os 27 estados, onde fixou a tributação sobre o litro de diesel no maior valor cobrado no país, R$ 1,00 por litro, mas permitiu que os Estados concedessem descontos para, na prática, manter os níveis praticados em novembro de 2021, quando a tributação sobre combustíveis foi congelada.

Para Everardo Maciel, a existência dos descontos criados pelos secretários de Fazenda acaba com a uniformidade do imposto. Segundo ele, à luz disso, a decisão do ministro André Mendonça está correta.

Castro e Silva vai na mesma linha. Para ele, quando os estados, através do Confaz, estabeleceram o "Fator De Equalização de Carga Tributária", acabou gerando toda a controvérsia.

Isso porque, além de não ter previsão na Lei Complementar 192/2022, faz com que as alíquotas variem de estado para estado e, assim, volta a haver a incidência do ICMS nos demais elos da cadeia produtiva. Ou seja, esvazia a incidência monofásica que foi implementada.

LEIA MAIS

Decisão de André Mendonça pode obrigar estados a cobrar mais por ICMS do óleo diesel

Por eleição, Bolsonaro vai ao Cade contra a Petrobras, que ele mesmo indica o presidente e conselheiros

Governadores vão recorrer da decisão de André Mendonça sobre ICMS do diesel

Aliás, diz Castro e Silva na sua decisão, o ministro Mendonça transcreve o Ofício do Presidente do Senado para o Confaz explicitando que o "Fator De Equalização de Carga Tributária" esvazia a sistemática da nova lei e pede providências aos Secretários para resolver a questão, conclui o tributarista.

Comentários

Últimas notícias