COLUNA MEU PET

Coronavírus: o que muda na rotina com os pets?

Não há evidências de que os animais de estimação possam ser transmissores da doença

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 13/04/2020 às 18:13
Notícia
REPRODUÇÃO/PIXABAY
Tutores precisam observar alguns cuidados com os pets durante o período de quarentena - FOTO: REPRODUÇÃO/PIXABAY
Leitura:

Por Amanda Rainheri, da Coluna Meu Pet

Não é novidade para os tutores que os animais de estimação são ótimas companhias para o dia a dia. E, em tempos de quarentena, essa ligação pode se tornar ainda mais necessária, principalmente para quem vive sozinho. Mas a pandemia do novo coronavírus (covid-19) trouxe, junto com o confinamento, uma série de incertezas sobre o possível contágio entre os pets e seres humanos. Afinal, há motivos para ter medo? O que muda na rotina?

>> Pets viram importantes companheiros na quarentena do coronavírus

>> Protetores se mobilizam para ajudar animais de rua durante a pandemia do coronavírus

>> Acompanhe as últimas notícias sobre o novo coronavírus

De acordo com a médica veterinária Edna Santos, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), não existem evidências de que os animais sejam transmissores do novo coronavírus. "Não há trabalhos científicos que comprovem que o animal pode adquirir e transmitir a doença", afirma.

Segundo ela, mesmo nos casos em que os pets testem positivo para o novo coronavírus, não é possível apontá-los como transmissores. "Nos casos noticiados de animais que testaram positivo houve contato com o dono, que também testou positivo. O vírus estar presente não significa que ele poderá ser transmitido", argumenta. A veterinária explica: "uma maneira fácil de comparar é com outra doença, a leishmaniose. Ela é transmitida através de um inseto, que pica um animal doente e transmite para outro. Porém, já foi encontrada leishmania em carrapatos, porque sugam o sangue dos animais. Isso não torna o carrapato um transmissor."

Para os animais que conseguem fazer as necessidades dentro de casa, a recomendação é manter o isolamento. Já para os que precisam ir para a rua, a médica veterinária faz recomendações. "Alguns cuidados precisam ser tomados para que eles não tragam o vírus para dentro de casa. Não são necessários passeios longos e as patinhas precisam ser higienizadas com água e sabão neutro próprios para os animais após o passeio."

Atendimento

Com o avanço dos casos do novo coronavírus no mundo, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que as pessoas não deixam suas casas para realizarem tarefas que não sejam essenciais. Em nota, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Associação Mundial de Veterinária (WVA) defenderam que os serviços veterinários e de nutrição animal são essenciais para a saúde pública, especialmente na prevenção de doenças, no gerenciamento de emergências e enfreamento de pandemias.

Assim, a orientação do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) é de que os profissionais continuem atuando em clínicas e hospitais veterinários, com algumas ressalvas. 

- CONSULTAS VETERINÁRIAS: atendimento preferencialmente agendado, com a presença de apenas um responsável (tutor), para evitar a concentração excessiva de humanos nos ambientes de espera.

- HIGIENIZAÇÃO: adoção de regras básicas de higiene e assepsia pessoais e do ambiente, antes e após cada atendimento. Usar o máximo de descartáveis (jalecos, luvas etc.). Consultas em domicílio devem seguir rigidamente essas normas de higiene e assepsia, além de manter um intervalo mínimo de duas horas entre os atendimentos.

- INTERNAÇÃO: desestímulo às visitas aos animais internados, oferecendo maior número de boletins médicos dos pacientes.

- PET SHOPS: são muito importantes na nutrição dos animais, devendo manter estoque normal dos alimentos, evitando deslocamentos incertos dos tutores à procura da ração ideal para seu animal.

- ESTÉTICA ANIMAL: incentivo aos tutores a diminuir a frequência de banhos e tosas de seus pets, diminuindo a circulação das pessoas. Preferencialmente, realizar a higiene dos pets no próprio domicílio.

- PASSEIOS COM PETS: devem ser reduzidos, feitos em pequenas distâncias, apenas para atender às necessidades fisiológicas dos animais, também evitando concentrações em parques e praças.

- AUTORIDADES LOCAIS: todas as recomendações dos órgãos públicos de saúde devem ser seguidas rigorosamente.

- ANIMAIS DE PRODUÇÃO: Nos locais de manejo e criação dos animais de produção, via de regra, já costuma ser baixa a concentração de pessoas, o que mitiga o risco e já contribui para evitar a propagação do vírus nesses ambientes. Mantendo as distâncias recomendadas pelos órgãos de saúde, acredita-se que a possibilidade de contaminação já é pequena. De qualquer forma, em granjas com um quantitativo maior de profissionais, como as de suínos, recomenda-se que as reuniões em campo para definição de procedimentos clínicos e de manejo sejam reduzidas e mais curtas, mantendo-se os protocolos de distância e evitando contatos físicos.

- QUARENTENA E AS CLÍNICAS: o CFMV considera que os serviços clínicos veterinários são essenciais e devem ser mantidos à disposição da população, assim como os de nutrição animal, desde que reforcem os cuidados com a higienização a cada atendimento e organizem o agendamento das consultas com antecedência para evitar concentração excessiva de pessoas no mesmo ambiente.

LEIA MAIS TEXTOS DA COLUNA MEU PET EM jc.com.br/meu-pet

REPRODUÇÃO/ PIXABAY
Tutores precisam observar alguns cuidados com os pets durante o período de quarentena - FOTO:REPRODUÇÃO/ PIXABAY

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias