MPPE está de olho na retirada dos cobradores dos ônibus e suas consequências para o passageiro

Publicado em 01/04/2017 às 16:01
NE10
FOTO: NE10
Leitura:
Fotos: JC Imagem Fotos: JC Imagem   O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), via Promotoria de Transportes, está de olho na migração que o sistema de transporte por ônibus da Região Metropolitana do Recife está vivendo com a retirada de cobradores e o estímulo ao pagamento eletrônico da tarifa. O assunto é polêmico e alvo de muitas críticas não só da população, mas também dos rodoviários. O que está incomodando a promotoria não é a migração como conceito – o promotor Humberto Graça defende que ela é inevitável e boa para a operação diária do sistema –, mas a forma como está sendo feita e, especialmente, a infraestrutura oferecida para a adaptação do passageiro.
"A mudança é inevitável, mas o processo está correndo muito solto. Somos a favor da migração, até porque ela é inevitável e positiva para a operação do sistema. Mas da forma como está sendo feita, a população tem sido pega de surpresa com a restrição do embarque exclusivamente com o cartão VEM. E sem uma rede de vendas dos cartões e créditos eficiente”, Humberto Graça, promotor de Transportes
  Fotos: JC Imagem Nesses dois aspectos, o processo deixa a desejar, segundo o promotor Humberto Graça. Faltam informações ao usuário, tecnologia e uma rede de vendas de cartões e créditos eletrônicos eficientes para proporcionar agilidade e facilidade para a migração. Em resumo, o governo do Estado e o setor empresarial decidiram, por diversas razões – entre elas a redução da violência nos coletivos –, ampliar a utilização dos cartões VEM, mas ainda não conseguem oferecer um serviço de acesso aos créditos eletrônicos que não sacrifique o passageiro. Por isso, o promotor está convocando os envolvidos no processo para conversar e tentar melhorar a rede. Serão convocados a Secretaria das Cidades, o Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Urbana-PE). LEIA MAIS Redução do valor da passagem para compensar retirada de cobradores dos ônibus. Que tal? Um olhar especial sobre as mulheres no transporte coletivo "A mudança é inevitável, mas o processo está correndo muito solto. Somos a favor da migração, até porque ela é inevitável e positiva para a operação do sistema. Mas da forma como está sendo feita, a população tem sido pega de surpresa com a restrição do embarque exclusivamente com o cartão VEM. E sem uma rede de vendas dos cartões e créditos eficiente. Têm sido cobrados valores para aquisição dos cartões nos coletivos que também devem ser discutidos”, explica o promotor Humberto Graça. Prova de que o processo vem sendo feito sem uma previa divulgação para a sociedade é que somente no mês de março, o GRCT autorizou a retirada dos cobradores de 27 linhas de ônibus. No total, já são 32. As outras  quatro linhas passaram pela mudança entre novembro de 2015 e fevereiro de 2017.  Nos ônibus, são colocados cartazes para orientar os passageiros sobre a mudança e por um período determinado o cobrador fica na linha alertando os usuários e vendendo os cartões. Mas não há uma divulgação formal na mídia sobre a mudança. O GRCT responde porque é questionado pela imprensa. jc-cid0402_deolho02-web De fato, a capilaridade da rede de vendas dos cartões e créditos eletrônicos deixa muito a desejar. Quem usa o sistema sabe disso. Apenas os passageiros do VEM Trabalhador não sofrem porque os créditos são adquiridos pelos empregadores. Estudantes e, principalmente, os usuários do VEM Comum, sofrem muito. A rede de vendas se expandiu para a maioria dos  terminais integrados, mas até pouco tempo existia apenas nas estações de BRT, que sempre apresentam problemas porque as máquinas são ultrapassadas, e no posto oficial de carregamento do VEM, na Rua da Soledade, na Boa Vista, Centro do Recife. A alteração no benefício da meia-passagem aos domingos, que agora só é dada a quem paga a tarifa com o VEM Comum, é outro aspecto que o promotor questiona.
Queremos estar onde o passageiro está. Ou seja, nos terminais integrados e nos ônibus. A rede de vendas é importante, mas sabemos que nunca teremos capilaridade para atender bem toda a população usuária do ônibus. Por isso no fim de abril estaremos iniciando os testes com uma nova tecnologia embarcada, ou seja, que permitirá a compra de cartões e créditos dentro do coletivo", Fernando Bandeira, presidente da Urbana-PE
  fr060713118     Algumas linhas têm mantido a venda de cartões com créditos nos coletivos, sob controle dos motoristas, mas o procedimento é criticado pelo Sindicato dos Rodoviários porque pode distrair o condutor. Em algumas cidades brasileiras, como Goiânia e Rio de Janeiro, há linhas em que o motorista atua também como cobrador. Mas para sorte dos profissionais e dos passageiros, o modelo não foi adotado no sistema da RMR. O GRCT e a Urbana, aliás, já afirmaram em outras oportunidades que nunca será implantado por aqui. Uma reclamação frequente da população que chegou ao MPPE é sobre o valor cobrado para aquisição de cartões VEM já com créditos. Nas linhas convencionais que cobram o Anel A (R$ 3,20), o cartão sai por R$ 12 (R$ 4 do cartão e R$ 3,20 da passagem. O restante fica de crédito para o passageiro). Já nas linhas opcionais que a tarifa custa R$ 4, o valor cobrado são R$ 20 (R$ 4 do cartão e R$ da passagem. O restante fica de crédito para o usuário). LEIA MAIS Ônibus sem cobrador: caminho sem volta Ônibus sem cobrador começa a ser testado nesta segunda-feira na Região Metropolitana do Recife Cobradores de ônibus felizes NOVA TECNOLOGIA Os empresários de ônibus garantem que tudo vai melhorar e que estão trabalhando para ampliar a oferta de vendas de cartões e créditos eletrônicos aos passageiros. Agora, dizem que não vão mais apostar apenas na ampliação da rede de vendas física, ou seja, os pontos instalados em estabelecimentos comerciais do Grande Recife. Buscam o uso da tecnologia embarcada, ou seja, a compra do crédito no próprio ônibus. “Queremos estar onde o passageiro está. Ou seja, nos terminais integrados e nos ônibus. A rede de vendas é importante, mas sabemos que nunca teremos capilaridade para atender bem toda a população usuária do ônibus. Por isso no fim de abril estaremos iniciando os testes com uma nova tecnologia embarcada, ou seja, que permitirá a compra de cartões e créditos dentro do coletivo", garante Fernando Bandeira, presidente da Urbana-PE. O protótipo vem sendo criado em São Paulo e ficará dentro dos ônibus. Através dessa máquina, o passageiro poderá comprar os cartões VEM e créditos eletrônicos com dinheiro, débito ou cartão de crédito. Enquanto a tecnologia não chega, a Urbana diz que vai duplicar o número de máquinas de autoatendimento disponíveis nos TIs, trocar as das estações do BRT e retomar a função de compra de créditos eletrônicos que existia no APP CittaMobi, que teve problemas técnicos e está fora do ar. "Nossa dificuldade hoje é com o usuário do VEM Comum, que responde por 30% da nossa demanda. Com os pontos de autoatendimento nos TIs, atendemos 60% dos nossos clientes. Mas sabemos que precisamos fazer mais e estamos trabalhando para ampliar essa oferta. Os passageiros podem estar certos disso", disse Fernando Bandeira. Faixaazul_Ashley Sobre a polêmica da retirada dos cobradores, o presidente da Urbana garantiu, mais uma vez, que ninguém foi demitido. "Todos estão sendo reaproveitados em outras funções. Muitos estão realizando o sonho de ser motorista - o que para nós é bom porque existe uma queda da oferta desse tipo de profissional no mercado -, e muitos serão aproveitados para vender créditos eletrônicos nas ruas com as máquinas avulsas de débito e crédito. Além disso, as pessoas precisam lembrar que o custo com o cobrador representa, em média, 10% da planilha de custos do sistema. Essa diferença irá influenciar no cálculo da planilha, por exemplo, quando o governo for projetar o aumento da passagem no próximo ano", argumentou. O GRCT se pronunciou por nota. Confira: "O Grande Recife informa que na época em que só existiam três linhas sem cobrador, apenas os Terminais Integrados da Macaxeira e de Abreu e Lima possuíam a máquina de carregamento do VEM. A medida que esse número foi sendo ampliado, outros terminais passaram a contar com esse equipamento. Atualmente, 17 Terminais Integrados e 32 estações de BRT também contam com a máquina".  

Últimas notícias