COLUNA MOBILIDADE

Conheça o monotrilho de Salvador. Pernambuco poderia se espelhar

O VLT do Subúrbio de Salvador vai atender à Região Metropolitana da capital baiana, com a perspectiva de levar transporte para a periferia. Terá 23 quilômetros e será totalmente elétrico

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 10/08/2021 às 8:00
Notícia
Skyrail Bahia/Divulgação
Na Bahia, o projeto é uma PPP sob coordenação do governo estadual. Monotrilho poderia, ao menos, estimular Pernambuco a voltar a pensar no transporte sobre trilhos, algo esquecido no Estado há pelo menos 16 anos - quando foi iniciada a operação da Linha Sul do Metrô do Recife - FOTO: Skyrail Bahia/Divulgação
Leitura:

A Coluna Mobilidade foi buscar informações e imagens do que será o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) do Subúrbio de Salvador, na Bahia, como provocação para que, assim como lá, Pernambuco possa se espelhar no projeto. Ou, ao menos, sinta estímulo para voltar a pensar no transporte sobre trilhos, algo esquecido no Estado há pelo menos 16 anos - quando foi iniciada a operação da Linha Sul do Metrô do Recife. O VLT elevado - que na verdade é um monotrilho por estar sendo construído elevado - vai atender à Região Metropolitana da capital baiana, com a perspectiva de levar transporte para a periferia. Terá 20 quilômetros e será totalmente elétrico - algo essencial diante da crise climática que a terra enfrenta.

Um metrô aéreo para o Grande Recife

Conheça propostas para o metrô dos sonhos no Recife

Transporte público sobre trilhos perde mais da metade dos passageiros devido à pandemia

Confira a série de reportagens Metrôs - Uma conta que não fecha

Confira o especial multimídia Um metrô ainda renegado

Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação

Ligará o bairro Comércio, que já representou o centro comercial de Salvador e ainda tem forte apelo econômico, à comunidade de Ilha de São João, em Simões Filho, município metropolitano que faz limite com a capital. Será uma Parceria Público Privada (PPP) e representará um investimento de R$ 2,5 bilhões. Tem previsão de iniciar a operação em março de 2023, ficando totalmente concluído em maio de 2024. A estimativa é que transporte, diariamente, entre 150 mil e 200 mil pessoas. Terá 25 paradas ao longo dos 23 quilômetros - somatório com a integração aos 4 quilômetros do metrô soteropolitano.

O projeto inicial sugeria que fosse implantado um VLT de superfície, mas durante o processo de licitação houve alterações no tipo de modal - optando por elevá-lo para evitar possíveis desapropriações -, e o nome VLT do Subúrbio foi mantido. Assim como foi o Metrô do Recife, o projeto aproveita a antiga linha férrea existente. Mas o VLT substitui o antigo trem e, além disso, amplia o sistema. Antes eram 10 estações e agora serão 25 paradas.

A Skyrail Bahia, responsável pela implantação e operação do empreendimento, venceu a licitação da PPP realizada pelo governo estadual da Bahia em 2019. A empresa consiste em um consórcio capitaneado pela multinacional chinesa BYD (Build Your Dreams: “construa seus sonhos” em português), grupo forte e especializado em energia limpa, com mais de 25 anos de experiência.

Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação

O PROJETO

A primeira fase do VLT do Subúrbio de Salvador consiste na construção de 21 estações em 19,2 km de extensão, com início na Ilha de São João, em Simões Filho, passando pelos bairros do Subúrbio Ferroviário, Calçada e seguindo até o Comércio. A segunda fase vai expandir o projeto e levar o VLT até a estação Acesso Norte do Metrô de Salvador, com mais 5 estações em 4,08 km. Com isso, o monotrilho promoverá uma integração rápida e eficaz com os outros sistemas de transporte existentes, ampliando a oferta de mobilidade em toda Região Metropolitana.

CONFIRA O TRAÇADO DO VLT DO SUBÚRBIO DE SALVADOR

CONFIRA MAIS DETALHES DO PROJETO

Apesar da pandemia de covid-19, as obras seguem, segundo a Skyrail Bahia. Além da tapumagem, topografia e da remoção dos cabos elétricos da antiga linha férrea, 42% da sondagem estava concluída e 68% dos trilhos do antigo trem já haviam sido retirados no fim do mês de junho deste ano. Para o segundo semestre, estão previstas a construção de três das 25 paradas previstas, além do início da construção do canteiro de obras e do Centro de Controle e Operações (CCO) no bairro Calçada.

Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação
Skyrail Bahia/Divulgação
VLT do Subúrbio de Salvador - Skyrail Bahia/Divulgação

CONFORTO E AGILIDADE

A promessa dos construtores do projeto é que o novo transporte irá oferecer aos passageiros modernidade, eficiência e conforto. Será refrigerado e contará com wi-fi em todos os vagões. Promoverá agilidade no percurso, reduzindo o tempo de espera de 40 para três minutos e meio entre um trem e outro. Ainda será uma opção aos congestionamentos da Avenida Afrânio Peixoto (Avenida Suburbana), importante eixo viário da cidade. Mais uma vez, pelos cálculos da concessionária, o tempo médio da viagem na via cairá 35%: de 85 para 30 minutos. Além disso, destaca ainda a Skyrail Bahia, proporcionará beleza aos usuários porque o monotrilho terá janelas com visão panorâmica da Baía de Todos os Santos, talvez o ponto mais famoso de Salvador.

TARIFA

A concessionária e o governo da Bahia garantem que, mesmo com a modernização e qualificação do serviço, a tarifa do VLT do Subúrbio deverá seguir os valores praticados nos sistemas de transporte integrados da capital soteropolitana, tais como o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus (STCO) e o Sistema de Transporte Especial Complementar (STEC). Ao fim de junho de 2021, o valor era R$ 4,40. O modelo permite ao usuário pagar apenas uma passagem e utilizar vários serviços (metrô, ônibus urbanos e metropolitanos) de forma integrada em um determinado intervalo de horário - semelhante ao Sistema Estrutural Integrado (SEI) pernambucano.

 

Comentários

Últimas notícias