COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Com UTIs públicas cheias, Pernambuco vai contratar 490 leitos da rede privada para pacientes com sintomas de covid-19

Das vagas que serão contratadas, 150 são de UTI para adultos e 40 para crianças e recém-nascidos

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 25/02/2021 às 18:29
Notícia

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Dos 120 leitos de UTI do antigo Hospital Alfa, dedicados à covid-19, 100 estão atualmente ocupados - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (25), o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, informou que a Secretaria Estadual de Saúde (SES) vai abrir licitação para contratação de leitos de terapia intensiva (UTI) e enfermaria dedicados a pacientes com sintomas de covid-19 na rede privada. O governo pretende contratar a oferta de leitos que for disponibilizada pela rede privada, independentemente da localidade no Estado. 

O edital será publicado ainda esta semana, no Diário Oficial do Estado, segundo Longo. A contratação será por um período de 90 dias, podendo ser prorrogada a depender da necessidade. A expectativa da SES é contratar, ao todo, 300 leitos de enfermaria, 150 leitos de UTI para adultos, além de 40 leitos de UTI pediátrica e neonatal. 

Atualmente Pernambuco já tem cerca de 200 leitos, entre UTIs e enfermarias, contratados na rede privada. As vagas estão distribuídas em várias unidades de saúde, como o Real Hospital Português (RHP) e o Maria Vitória, no Recife; o Neurocardio e o Hospital Memorial, em Petrolina (Sertão); e a Maternidade Santa Maria, em Araripina (Sertão), além de outros hospitais. 

O secretário informou ainda da perspectiva de abertura de novos leitos de UTI nos próximos dias no Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, em parceria com a Prefeitura do Recife, e no Hospital Memorial Guararapes, em Jaboatão.

Ao todo, nos últimos três meses, o Estado colocou em funcionamento mais de 200 leitos de UTI na rede estadual. Atualmente, a rede pública conta com 1.935 vagas para pacientes com sintomas de covid-19, sendo 998 de terapia intensiva - 89% delas estão atualmente ocupadas. Além disso, 73% dos 937 leitos de enfermaria permanecem com pacientes que apresentam sintomas da infecção pelo novo coronavírus. Já em relação à rede privada, estão ocupadas 84% e 38% das 270 e 156 vagas, respectivamente, de UTI e de enfermaria.  

Sobre a situação de pressão da covid-19 sobre a rede de saúde, André Longo demonstrou preocupação. “Observamos, ao longo da última semana, uma maior pressão sobre a rede de saúde, chegando, em alguns momento do dia, à marca de 90% de ocupação. Diante disto, o comitê de enfrentamento está avaliando a adoção de novas medidas restritivas nos próximos dias", alertou o secretário. Atualmente, no Hospital de Referência à Covid-19 de Boa Viagem (antigo Alfa), Zona Sul do Recife, 100 dos 120 leitos de UTI estão ocupados. E no Hospital de Referência à Covid-19 - unidade Olinda (Maternidade Brites de Albuquerque), 31 das 40 vagas de UTI permanecem com pacientes em assistência. 

Dados 

De acordo com análise epidemiológica da SES, Pernambuco permanece com estabilidade no cenário epidemiológico, com uma aceleração lenta, mas em níveis altos e preocupantes. Em relação aos casos de síndrome respiratória aguda grave (Srag), foram registradas 773 notificações na última semana, o que representa 39 registros a mais que na semana anterior. Nas solicitações de leitos, houve 24 solicitações de UTI a menos no mesmo período e 46 solicitações a mais de leitos de enfermaria.

Durante a coletiva, André Longo explicou que “apesar de o vírus estar circulando de forma homogênea em todo o Estado, as flutuações ocorrem distintamente entre as regiões. Nesta última semana, por exemplo, observamos situação anormal, com a saturação da rede, em parte da Mata Norte, no Agreste e no Sertão do Araripe”, informou.

Cirurgias eletivas 

Nas unidades de saúde públicas e privadas dos 63 municípios das 2ª, 4ª e 9ª Gerências Regionais de Saúde (Geres), com sedes em Limoeiro, Caruaru e Ouricuri, respectivamente, as cirurgias eletivas estão suspensas da próxima segunda-feira (1º/3) até 12 de março. As três regiões iniciam, a partir desta sexta-feira (26), um período de restrição de todas as atividades econômicas e sociais, entre 20h e 5h, nos dias de semana, e das 17h às 5h aos sábados e domingos.

“O objetivo deste novo decreto é reforçar a capacidade de enfrentamento à covid-19 com a perspectiva de liberação de mais leitos. Essa medida poderá ser adotada em outras regiões do Estado, caso as taxas de ocupação da rede pública e também da privada continuarem subindo”, disse André Longo.

 

Comentários

Últimas notícias