COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Em alta da covid-19 no Recife, Samu ultrapassa 10 mil atendimentos a pessoas com sintoma da doença em quase 15 meses de pandemia

A marca foi alcançada nesta terça-feira (20), segundo a Secretaria de Saúde do Recife

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 20/04/2021 às 15:50
Notícia
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Samu ofereceu assistência a 10.026 moradores do Recife, com sintomas de covid-19, em quase 15 meses de pandemia - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

A Secretaria de Saúde do Recife (Sesau) informa que, entre fevereiro de 2020 e abril de 2021, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) recebeu cerca de 89 mil chamados que resultaram em quase 48 mil envios de ambulâncias para ocorrências gerais na capital pernambucana. Deste total, mais de 17 mil foram chamados para atender causas respiratórias (pessoas com sintomas de covid-19), resultando em assistência a 10.026 moradores do Recife em quase 15 meses de pandemia do novo coronavírus. A marca foi alcançada nesta terça-feira (20). 

A Sesau explica também que, em 2020, maio foi o mês com o maior número de envios de ambulâncias, tanto para atendimentos gerais quanto respiratórios. Já em 2021, o maior volume foi em março, cuja maior média móvel foi de 60,9. Atualmente, a média móvel das ocorrências respiratórias está em 52; já as gerais é de 27,3.

No último domingo (19), o Samu Metropolitano do Recife registrou 50 chamados por causas respiratórias, que resultaram em 38 acionamentos de ambulâncias para prestar socorro a pacientes com suspeita de covid-19. 

Apesar de, no fim de março, o Samu Recife ter observado os primeiros indícios de estabilização nos chamados, a permanência de alta nos casos continua a deixar as equipes em alerta. Ainda é expressivo o número de pessoas que precisam ser socorridas em domicílio e levadas a unidades de saúde. "A demanda ainda é muito grande, e continuamos com a nossa força-tarefa. Cerca de 60% das saídas de ambulâncias são para atendimento das pessoas em domicílio; o restante é para fazer transferência de pacientes entre serviços de saúde", diz o médico Leonardo Gomes, coordenador-geral do Samu Metropolitano do Recife.

Atualmente o Samu conta com 30 ambulâncias circulando na capital pernambucana: 24 delas funcionam com estrutura para oferecer suporte básico aos pacientes e outras 6 dão assistência mais especializada — são as chamadas unidades de terapia intensiva (UTIs) móveis. "Antes do novo coronavírus, tínhamos 21 ambulâncias. No início da pandemia, esse número subiu para 26. Agora são 30, pois precisamos dar conta das suspeitas de covid-19 e dos chamados gerais, como acidentes de trânsito", explica Leonardo.

O médico faz questão de ressaltar que ainda não é momento de a população relaxar diante das medidas restritivas, pois o contágio ainda precisa cair bastante. "A estabilização que temos percebido, nos últimos dias, ainda traz números altos. Não sabemos se isso ainda vai se traduzir numa virada (queda) de curva epidêmica. Precisamos aguardar ainda mais uns dez dias para uma melhor análise", salienta Leonardo.

 

Comentários

Últimas da Coluna

Últimas notícias