Competições agitam Porto de Galinhas

Publicado em 28/06/2019 às 19:16
Leitura:
Thiago Silva foi o campeão da primeira etapa do Pernambucano em Fernando de Noronha. Foto: Damangar/FPS Começou a maratona de disputas do inverno em Pernambuco. O El Nino que prevalece este ano sempre trazem boas ondas à praia do Cupe em Porto de Galinhas. A quarta edição do Rota do Mar Surf and Music além das tradicionais competições de surfe traz pela primeira vez o bodysurf, onde os competidores surfam com o próprio corpo, como nos antigos "jacarés" que pegávamos nas ondas de Boa Viagem, por exemplo. Elivelton Santos. Foto: Damangar/FPS Foram eles que entraram primeiro no mar de Ipojuca, hoje, 28/6, para a 2ª etapa do Circuito Kpaloa Brasileiro de Bodysurf. Amanhã se juntarão aos surfistas que participarão da 1ª etapa do Circuito Nordestino de Surf Pro/Master reunindo também competidores das categorias Master, Kahuna, Grankahuna e Legends. Esta competição já revelou grandes nomes do surfe nacional e foi considerada como o melhor circuito regional do Brasil. É esperado mais de 100 inscritos e o inicio das baterias está marcado para as oito horas deste sábado, 29/06. Pedro Lima. Foto: Damangar/FPS Entre os pernambucanos estão confirmados Thiago Silva, vencedor da primeira etapa do Pernambucano 2019, realizada em março passado na praia da Cacimba do Padre em Fernando de Noronha, Douglas Silva, Alan Donato, Júnior Lagosta, Cézar Aguiar e Bernardo Pigmeu. De Baía Formosa no Rio Grande do Norte virão Alan Jones e Israel Júnior, destaques nacionais e da paraíba esta listado o Elivelton Santos. Estarão divididos nas categorias Pro, Sub14, Sub16, Sub18, Feminino Open, Longboard, Sup Wave, Master, Sênior, Kahuna, Universitário formandos, formados e feminino que "cairão" no mar durante os três dias. Claudio Marroquim. Foto: Alexandre Gondim Para os maiores de 35 amos, participam os cearenses Cardoso Jr., Lúcio Picolé e Rogério Dantas (CE), de Pernambuco os destaques serão Fabio Quencas, Arthur Tavares,Gustavo Henrique. Fernando Balaço, Jaime Farinha e o campeão brasileiro Cláudio Marroquim. Além de Fred Vilila de Alagoas e Edu Elias do Rio Grande do Norte. A competição estará valendo pontos para o circuito brasileiro da Associação Brasileira de Surf Profissional (Abrasp), Já dos dias 5 a 7 de julho, será a vez dos locais mostrarem o que sabem fazer de melhor "em casa"na 2ª etapa do Circuito Pernambucano de Surf Pro/Amador. As inscrições ainda estão abertas e as vagas são limitadas. As inscrições para a categoria Pro custam R$ 180,00 e estão limitadas em 48 vagas e contará com R$ 10 mil em premiação, além de troféus e medalhas. Para as demais categorias, as inscrições custam R$ 100,00 e estão limitadas em 16 vagas por categoria. Os vencedores receberão pranchas, blocos, kits de produtos Rota do Mar, além de troféus e medalhas. Body Surf. Foto: Jr Montrão/Nazaré Fims A competição de bodysurf terão as modalidades bodysurf e handsurf, nas categorias masculina e feminina e que marcou presença foi o carioca Léo Moura, campeão mundial de bodysurf em 2018 e vencedor da primeira etapa da competição nacional, realizada na Praia da Guarda do Embaú, em Santa Catarina, nos dias 19 e 20 de abril, ultimo. Aos 17 anos, praticante da modalidade desde 2017, Léo é um fenômeno em resultados. Na sua primeira competição, ficou em terceiro lugar. Na segunda, já alcançou o lugar mais alto do pódio e resolveu se dedicar ao esporte. “Apareceu o evento mundial em Itacoatiara e fui para dentro. Ninguém esperava isso tudo de mim. Surpreendi todo mundo porque era minha segunda participação em uma competição. Foi difícil passar todas as baterias e me consagrar o campeão depois de enfrentar diversos atletas mais experientes. Enfrentei o Kalani Lattanzi, local da praia de Itacoatiara, onde foi a competição, motivo de muita satisfação e alegria por estar competindo ao lado dele”, comentou Moura. Quem fará "as honras da casa" será o pernambucano Tainha, de 22 anos que atua como guarda-vidas em Porto de Galinhas e tem o bodysurf como esporte há 10 anos. Tainha venceu o pernambucano da modalidade, ano passado, e está com grande expectativa na sua primeira competição nacional. “O Coroa Pernambucana que tivemos ano passado foi muito bem arbitrado e organizado. Esse vai ser massa. Espero pegar boas ondas”, comentou. Ele pegou gosto pelo esporte com os primos. O pai também não deixava surfar com prancha. “Agora estou começando a praticar também o handsurf”, comentou. Veja como foi no ano passado: Cupe capital brasileira do surfe

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias