Dicas e informações de viagens, férias e turismo
Turismo de Valor

Descubra dicas de viagem e roteiros para as férias, além dos destinos e atrações que estão em alta no turismo.

HISTÓRIA

Curiosidades que talvez você não conheça sobre a bandeira do Brasil

De bandeira 'importada' a Lei que regula o uso devido da bandeira, veja curiosidades do nosso símbolo nacional.

JC
JC
Publicado em 19/11/2021 às 16:03
Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos
Bandeira do Brasil atual é a décima a ser usada em terras tupiniquins. - FOTO: Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos
Leitura:

O Brasil é um dos destinos turísticos mais procurados no mundo. Seja por sua gastronomia rica, festas, praias, fato é que o país sempre é lembrado pelos viajantes. No quesito história, o Brasil também é rico: no dia 19 de novembro é comemorada a data em que foi oficializado o desenho da nossa nova bandeira, após a Proclamação da República, que acabou com o período imperial. Ao lado do Hino, das Armas e do Selo Nacional, a Bandeira faz parte do conjunto de símbolos que representam o Brasil. Confira a lista detalhada com algumas curiosidades.

Cores da bandeira

Esqueça a história de que o verde representa as matas; o amarelo, as riquezas; o azul, o céu; e o branco, a paz que deve reinar no Brasil. Na verdade, as cores escolhidas para a bandeira remetem às cores das duas Casas que originaram o Brasil independente: o verde representava a Casa de Bragança, de dom Pedro I, de Portugal, e o amarelo representava a Casa de Habsburgo, de Maria Leopoldina, da Áustria.

Essa escolha só se deu depois da Proclamação da Independência do Brasil, em 1822. Antes, as cores que representavam nosso país eram o branco e o vermelho, os mesmos símbolos nacionais de Portugal.

As estrelas

Quando foi criada, a bandeira do Brasil possuía 21 estrelas representando os 20 Estados e a Capital, que na época era o Rio de Janeiro. Em 1960, com a mudança da capital para Brasília e com a criação do estado da Guanabara, foram acrescentadas duas novas estrelas.


Em 1962, com a criação do estado do Acre, foi acrescentada mais uma estrela e, em 1975, com a extinção do estado da Guanabara e a criação de Mato Grosso do Sul, a estrela Alphard passou a representar o novo estado. A última modificação ocorreu em 1992, com a criação dos estados do Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins, quando foram acrescentadas quatro novas estrelas à Bandeira Nacional.

Bandeira ‘importada’

Wikimedia Commons
Bandeira Provisória foi usada somente por quatro dias - Wikimedia Commons

A Bandeira Nacional como conhecemos hoje foi a 10ª a ser criada. Antes dela, foi usada uma Bandeira da República Provisória que era a cópia dos Estados Unidos. A única diferença estava nas cores, já que aqui o verde e amarelo foram escolhidos. Mais curioso ainda é o fato de ela ter sido utilizada somente quatro dias, de 15 a 19 de novembro.

Lei rigorosa

Peter Leone/Futura Press/Folhapress
É vedado por lei utilizar a bandeira como vestimenta. - Peter Leone/Futura Press/Folhapress

De acordo com a Lei 5.700/1971, não é permitido modificar as cores ou o lema da bandeira ao representá-la; apresentá-la em mau estado de conservação; reproduzi-la em rótulos ou embalagens de produtos; usá-la como vestimenta, agasalhando-se nela, como visto em comemorações esportivas ou em manifestações de rua. Inclusive, por lei, as bandeiras rasgadas devem ser entregues à Polícia Militar para serem incineradas durante as comemorações do Dia da Bandeira.

Estrela sozinha

A única estrela que aparece acima do lema “Ordem e Progresso” recebe o nome de Spica, a mais brilhante da constelação de Virgem. Ela representa o estado do Pará, que correspondia ao maior território acima da linha do Equador em 1889.

Tem também norma que regulamenta as estrelas de nossa bandeira: de acordo com a Lei nº 8.421, de 11 de maio de 1992, as estrelas da esfera azul celeste abaixo do lema devem ser atualizadas no caso de criação ou extinção de algum Estado.

Comentários

Últimas notícias