Falecimento

Morre Stuart Gordon, um dos mestres do cinema de terror

Gordon foi responsável por obras como "Do Além" e "A Hora dos Mortos Vivos". O diretor faleceu aos 72 anos

João Rêgo
João Rêgo
Publicado em 25/03/2020 às 17:09
Notícia
Foto: Reprodução/MoviestillsDB
Still do longa "A Hora dos Mortos Vivos (1985)", principal obra de Stuart Gordon - FOTO: Foto: Reprodução/MoviestillsDB
Leitura:

Um mês após a morte de José Mojica Marins, o cinema de horror perde mais um dos seus maiores ídolos. Faleceu na noite desta terça-feira (24), o cineasta norte-americano Stuart Gordon, aos 72 anos.

A revista Variety confirmou a notícia depois da informação dada pela família do diretor. A causa da morte não foi divulgada. 

Dono de uma assinatura autoral, Gordon é conhecido pelo gore, o uso dos efeitos especiais e adaptações de H. P. Lovecraft para o cinema. Sua estreia na direção em 1985, A Hora dos Mortos Vivos (Re-Animator) é um dos marcos na produção cinematográfica da década.

Leia também: Coronavírus: Como o adiamento ou cancelamento de Cannes impacta o cinema

Leia também: Crítica: 'Black Summer' é apenas horror

Um amante do horror, o cineasta pensava sobretudo na sétima arte. Seus trabalhos congregavam qualidades raras pouco vistas em produções recentes.

A Hora dos Mortos Vivos é uma espécie de jornada prazerosa por tudo que o cinema de gênero pode produzir. Sangue, tripas, tramas adolescentes de faculdade e novamente muito sangue.

Na história, dois jovens conhecem um estudante de medicina recém chegado ao campus de uma universidade. Eles então se envolvem em estranhos experimentos de reanimação de tecidos mortos.

Foto: Reprodução
Cena do filme "A Hora dos Mortos Vivos" (1985) - Foto: Reprodução

Toda construção da sua obra convida o público a contemplar um universo próprio que se encerra dentro da duração da projeção. Seus filmes não necessariamente conversam com significações políticas de uma forma direta (como outros mestres do gênero como John Carpenter ou George Romero).

Eles carregam uma qualidade rara e intrínseca aos que fazem cinema por amor: uma leitura auto-consciente da arte como uma instituição – feita para ser desconstruída por dentro.

A partir disso, Gordon conseguiu desenvolver histórias que não necessariamente precisam ir além da tela para dizer alguma coisa. As imagens, sempre potentes, falam por si só.

Foi assim que produziu obras como Do Além (1986), Bonecas Macabras (1987), a ficção científica A Fortaleza (1992), o suspense Submundo (2005) e seu último longa Em Rota de Colisão (2007).

Foto: Reprodução
"Do Além" - Foto: Reprodução

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias