Representatividade

'Os Simpsons' deixará de usar atores brancos para dublar personagens negros

O anúncio provavelmente não afetará as vozes dos personagens da família Simpson, embora sejam amarelas

AFP
AFP
Publicado em 28/06/2020 às 18:01
Notícia
Divulgação
O primeiro episódio de Os Simpsons foi ao ar em dezembro de 1989, quase 30 anos atrás - FOTO: Divulgação
Leitura:

A mítica série animada "Os Simpsons" anunciou nesta sexta-feira (26) que não usará mais atores brancos para interpretar personagens de minorias étnicas. "A partir de agora 'Os Simpsons' não terão mais atores brancos representando personagens que não são brancos", informou uma nota da FOX enviada à AFP.

>> Beyoncé lançará filme "Black is King" em parceria com a Disney 

>> Estreia do live-action de Mulan é novamente adiada por causa da pandemia do novo coronavírus

>> Globo de Ouro é adiado para 28 de fevereiro de 2021 devido ao coronavírus

O anúncio provavelmente não afetará as vozes dos personagens da família Simpson, embora sejam amarelas.

Mas sim a um personagem recorrente na série lançada em 1989 como Apu Nahasapeemapetilon, um comerciante indiano que devia sua voz em inglês ao ator Hank Azaria.

Em janeiro, o ator branco anunciou que, em acordo com a produção, deixaria o personagem, acusado por um longo tempo de transmitir estereótipos racistas.

A mudança também deve afetar o personagem do Dr. Hibbert, um negro interpretado pelo ator branco Harry Shearer que empresta sua voz a muitos outros personagens da série, como o Sr. Burns, o chefe de Homer Simpson, seu vizinho Ned Flanders e o diretor Skinner.

Antes disso, o ator Mike Henry, também branco, anunciou que deixaria de dar voz ao personagem negro Cleveland Brown de outra popular série animada, "Family Guy".

>> Netflix vai cancelar contas de quem passar muito tempo sem acessar a plataforma

"Foi uma honra interpretar Cleveland para Family Guy por 20 anos. Eu amo esse personagem, mas pessoas de cor (não brancas) devem interpretar os personagens de cor. É por isso que estou deixando o papel", escreveu ele no Twitter.

Esses anúncios seguem decisões semelhantes da Netflix ("Big Mouth") e da Apple TV + ("Central Park") em meio a um exame de consciência da sociedade americana sobre seu passado racista e discriminação, motivada pela morte de George Floyd, um homem negro que foi sufocado por um policial branco.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias