Homenagem

Projeto torna Chico Science o patrono do Manguebeat de Pernambuco

Francisco de Assis França morreu no 2 de fevereiro de 1997

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 02/09/2020 às 7:56
Notícia
Reprodução
Francisco de Assis França, o Chico Science, morreu em 1997 em acidente de carro - FOTO: Reprodução
Leitura:

Um Projeto de Lei que tramita na Assembleia Legislativa de Pernambuco declara o cantor e compositor Francisco de Assis França, o saudoso Chico Science, falecido em fevereiro de 1997, como patrono do Movimento Musical e Cultural Manguebeat de Pernambuco.

Autores do projeto, os deputados João Paulo (PCdoB) e Tony Gel (MDB) justificaram que Chico Science foi o mais famoso colaborador do Movimento Manguebeat, no início da década de 1990.

>> 23 anos da morte de Chico Science; relembre sucessos do mangueboy

>> Título de "Patrono do Brega" para Reginaldo Rossi recebe parecer favorável na Alepe

O texto relembra que o cantor passou sua infância e adolescência no bairro de Rio Doce e aponta seu gosto pela música de James Brown, Grandmaster Flash e Kurtis Blow importantes representantes do soul music e do hip-hop norte-americano. 

"Em 1987, formou seu primeiro grupo musical, o “Orla Orbe”, um conjunto de black music , que acabou antes de completar um ano. Em seguida, criou a banda “Loustal” (em homenagem ao quadrinista francês Jacques de Loustal), que fazia uma mescla do rock dos anos 60 com o soul, o funk e o hip-hop", lembram os deputados.

A fusão com os ritmos nordestinos, principalmente o maracatu, veio em 1991, quando Science entrou em contato com o bloco afro Lamento Negro, de Peixinhos, subúrbio de Olinda, que fazia um trabalho de educação popular na periferia do Grande Recife, e reunia ritmos folclóricos, como o maracatu rural e o coco de roda com o samba-reggae.

Com a fusão do Loustal e o Lamento Negro surgiu o grupo “Chico Science e Lamento Negro”, que depois foi batizado com o nome “Chico Science & Nação Zumbi”. A estreia da banda aconteceu em junho de 1991, no espaço Oásis, em Olinda, e chamou a atenção, com uma batida típica, resultado da mistura de ritmos regionais, como o maracatu rural e o coco de roda, com o rock, o hip-hop, o funk rock e a música eletrônica.

Temática social

Os parlamentares ainda ressaltam que Chico Science pensava música com temática social, com o objetivo de que o Recife aparecesse com toda a sua pujança cultural, resgatando suas raízes da periferia, dos manguezais, da capoeira, do côco de roda. "Estava formado um movimento musical denominado “Mangue Beat”, uma alusão ao mangue (ecossistema típico da costa do Nordeste brasileiro), mais a palavra beat (batida, em Inglês)", diz trecho do projeto.

A justificativa ainda aponta que os dois álbuns de Chico foram incluídos na lista dos 100 melhores discos da música brasileira da revista Rolling Stone, elaborada a partir de uma votação com 60 jornalistas, produtores e estudiosos de música brasileira: Da Lama ao Caos ficou na 13ª posição e Afrociberdelia na 18ª.

Em outubro de 2008, a revista Rolling Stone promoveu a Lista dos Cem Maiores Artistas da Música Brasileira, na qual Chico Science ocupou o 16ª lugar.

"Diante do trabalho de afirmação da música e cultura pernambucanas, numa valorização das nossas origens, renovando sua importância para o Brasil e para o mundo, através do Movimento Manguebeat, estilo musical único, solicito dos nobres pares a aprovação deste Projeto de Lei", conclui o texto.

O projeto foi distribuído para três comissões e vai tramitar nelas antes de ser votado em plenário. 

Comentários

Últimas notícias