COVID-19

Morre em São Paulo, aos 85 anos, o acadêmico Alfredo Bosi

JC
JC
Publicado em 07/04/2021 às 10:53
Notícia
GUILHERME GONÇALVES/DIVULGAÇÃO
OBRA Autor de livro sobre pré-modernismo, ele ingressou na ABL em 2003 - FOTO: GUILHERME GONÇALVES/DIVULGAÇÃO
Leitura:

O acadêmico e professor Alfredo Bosi faleceu na manhã desta quarta, dia 7, em São Paulo, vítima de pneumonia associada à covid-19. Diante da recomendação de se evitar reuniões e aglomerações por conta do coronavírus, não haverá velório.

“A tanta dor, soma-se a morte do admirável acadêmico Alfredo Bosi. Sou tomado de profunda emoção. Nem encontro palavras. Escrevo com olhos marejados. Bosi: um homem de profunda erudição, humanista inconteste, um homem que estudou o Renascimento e que o representou. Realizou uma abordagem nova da cultura do Brasil. Dialética da colonização é um clássico desde o nascedouro. Sem Ecléa, sua querida companheira, o mundo ficou mais áspero, ele, o suave, o profundo e delicado espírito. Sabia Dante e Machado, com a mesma intimidade, Gadda e Guimarães Rosa. Em tanta dor, essa que nos fere. Jamais relegou a segundo plano os direitos civis e as liberdades. Amado amigo, fraterno, radical”, declarou o Presidente da ABL, Acadêmico Marco Lucchesi.

O Acadêmico

 Guilherme Gonçalves/divulgação
O acadêmico Alfredo Bosi - Guilherme Gonçalves/divulgação

Alfredo Bosi é o sétimo ocupante da Cadeira nº 12. Foi eleito em 20 de março de 2003, na sucessão de Dom Lucas Moreira Neves, e recebido em 30 de setembro de 2003 pelo acadêmico Eduardo Portella. O Acadêmico nasceu em São Paulo (SP), em 26 de agosto de 1936. Foi casado com a psicóloga social, escritora e professora do Instituto de Psicologia da USP, Ecléa Bosi, com quem teve dois filhos: Viviana e José Alfredo.

Descendente de italianos, logo depois de se formar em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), em 1960, recebeu uma bolsa de estudos na Itália e ficou um ano letivo em Florença. De volta ao Brasil, assumiu os cursos de língua e literatura italiana na USP. Embora professor de literatura italiana, seu interesse pela literatura brasileira o levou a escrever os livros Pré-Modernismo (1966) e História Concisa da Literatura Brasileira (1970).

Guilherme Gonçalves/divulgação
O acadêmico Alfredo Bosi - Guilherme Gonçalves/divulgação

Em 1970, decidiu-se pelo ensino de literatura brasileira no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, da qual foi Professor Titular de Literatura Brasileira. Ocupou também a Cátedra Brasileira de Ciências Sociais Sérgio Buarque de Holanda da Maison des Sciences de l’Homme (Paris).

Foi vice-diretor do Instituto de Estudos Avançados da USP de 1987 a 1997. Nesse último ano, em dezembro, passou a ocupar o cargo de diretor. Entre outras atividades no IEA, coordenou o Educação para a Cidadania (1991-96), integrou a comissão coordenadora da Cátedra Simón Bolívar (convênio entre a USP e a Fundação Memorial da América Latina) e coordenou a Comissão de Defesa da Universidade Pública (1998). Desde 1989 era editor da revista Estudos Avançados.

Guilherme Gonçalves/divulgação
O acadêmico Alfredo Bosi - FOTO:Guilherme Gonçalves/divulgação

Comentários

Últimas notícias