CINEMA

Novo filme de Paulo Caldas tem exibição gratuita online

"O Circo Voltou", sobre mestre circense que atravessa o país em regresso ao sertão nordestino, integra a 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Emannuel Bento
Emannuel Bento
Publicado em 21/10/2021 às 15:33
FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
"O Circo Voltou", de Paulo Caldas, acompanha viagem de José Wilson - FOTO: FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Um dos grandes realizadores do cinema pernambucano, Paulo Caldas marca presença no 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo com a exibição de "O Circo Voltou". O filme narra a trajetória do mestre circense José Wilson, um dos maiores do país, em regresso ao Sertão de Alagoas, sua terra natal. A viagem o faz revisitar a própria história do circo no Brasil. Quem não estiver na capital paulista poderá assistir o longa-metragem na próxima quinta-feira (28), às 19h, na plataforma Itaú Cultural Play (www.itauculturalplay.com.br). A obra ficará disponível por apenas quatro horas.

Já as sessões presenciais em São Paulo serão realizadas neste domingo (24), às 19h, no Espaço Itaú de Cinema, na Augusta, e no Circuito SPCine, na Cidade Tiradentes. A 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo começou nesta quinta-feira (21), em formato híbrido, com uma seleção de 264 títulos para serem apresentados nas salas de cinema e 129 nas plataformas de exibição online.

Na plataforma do Itaú Cultural, o público também poderá assistir obras como "Antígona 442 A.C.", de Maurício Frias, "O melhor lugar do mundo é agora”, de Caco Ciocler, "Meu tio José", de Ducca Rios, "Memória sufocada", de Gabriel Di Giacomo, "Tarsilinha", de Celia Catunda e Kiko Mistrorigo, e "SARS-CoV-2 – O tempo da pandemia", dos irmãos Eduardo Escorel e Lauro Escorel. Os filmes são exibidos de 25 a 30 de outubro e em 2 de novembro.

Sobre o filme

"O Circo Voltou", de Paulo Caldas, acompanha José Wilson e sua trupe saindo de São Paulo rumo à Major Isidoro, cidade em que indígenas Xucurus-Cariris originários de Palmeira dos Índios se encantaram com a passagem de um circo pela região. Ao ver a caravana, o casal teria decidido montar sua própria "companhia" circense, batizada de Brasil Lux.

FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
"O Circo Voltou", de Paulo Caldas, acompanha viagem de José Wilson - FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
"O Circo Voltou", de Paulo Caldas, acompanha viagem de José Wilson - FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
"O Circo Voltou", de Paulo Caldas, acompanha viagem de José Wilson - FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO
"O Circo Voltou", de Paulo Caldas, acompanha viagem de José Wilson - FRED JORDÃO/DIVULGAÇÃO

Quase 90 anos depois vemos José Wilson à frente do Circo Spadoni e da Escola de Circo Picadeiro, mantendo essa longa tradição das famílias circenses viva. Ele atravessa o Brasil, realizando apresentações em Furquin, no interior de MG, no Quilombo Cinzentos, na Bahia, em uma aldeia em Palmeiras do Índios até culminar no grande espetáculo em Major Isidoro. Dessa forma, conta a saga do circo como resistência cultural no Brasil.

Diretor, roteirista e produtor Paulo Caldas já lançou títulos como "Baile Perfumado" (1997), divisor de águas do cinema pernambucano, "O Rap do Pequeno Príncipe contra as Almas Sebosas" (2000), "Deserto Feliz" (2007), "País do Desejo" (2013), "Saudade" (2018), "Abismo Tropical" (2019) e "Flores do Cárcere" (2019). Atualmente está em produção dos longas "Atmosfera" (2022) e "Liberdade PBY" (2022), e desenvolvimento dos projetos "Céu da Boca" e "O Campo dos Guarás" (ambos para 2023).

Comentários

Últimas notícias