CINEMA

Globo classifica como 'censura' decisão do Governo de retirar filme de Danilo Gentili do streaming

"Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" que vem sendo acusado de "incentivo à pedofilia" por cena que envolve o vilão Cristiano, vivido por Fábio Porchat; atores negam

Emannuel Bento
Emannuel Bento
Publicado em 15/03/2022 às 20:47
DOWNTON FILMES/DIVULGAÇÃO
FILME Fábio Porchat vive professor pedófilo em "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola", baseado em livro de Danilo Gentili - FOTO: DOWNTON FILMES/DIVULGAÇÃO
Leitura:

O Globoplay e o Telecine, marcas do Grupo Globo, classificaram como "censura" a determinação do Ministério da Justiça e da Segurança Pública de suspender imediatamente a exibição do filme "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" das plataformas de streaming brasileiras. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (15). O filme, que vem sendo acusado de "incentivo à pedofilia" nas redes, está no catálogos dos serviços.

Você concorda com a decisão do governo Bolsonaro de suspender exibição de filme de Danilo Gentili? Vote na enquete

Em comunicado, a empresa diz que está atenta "às críticas de indivíduos e famílias que consideraram inadequados ou de mau gosto trechos" da obra, mas entende que "a decisão administrativa do ministério da Justiça de mandar suspender a sua disponibilização é censura.

Leia também: Danilo Gentili se diz vítima de censura; filme acusado de apologia à pedofilia continua na Netflix

"A decisão ofende o princípio da liberdade de expressão, é inconstitucional e, portanto, não pode ser cumprida", acrescenta a nota. "O filme em questão foi classificado, em 2017, como apropriado para adultos e adolescentes a partir de 14 anos pelo mesmo ministério da Justiça que hoje manda suspender a veiculação da obra", continua o comunicado.

Entenda a polêmica

A comédia "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" acompanha Bernardo e Pedro, estudantes com dificuldades para cumprir as regras de uma escola com medidas politicamente corretas. No banheiro, eles encontram um diário com dicas para instaurar o caos no colégio sem serem notados. Gentili interpreta Danilo, o autor do manual.

A crítica atual é voltada para uma cena específica, em que o personagem vivido por Fábio Porchat, Cristiano, é procurado pelos protagonistas para falar sobre o caderno. De início, ele relata casos de bullying que sofreu no colégio, além de apresentar um ar de desaprovação em relação ao diário.

Mas, em determinado momento, ele ameaça contar aos pais dos jovens sobre a tentativa de seguir as instruções do manual. Cristiano, então, diz que irá "esquecer" esse caso se eles o masturbarem. "Vamos esquecer isso tudo, deixar isso de lado? A gente esquece o que aconteceu e, em troca, vocês batem uma punheta pro tio", diz o persoagem. Os garotos fogem diante da tentativa de abuso.

Atores se defendem

DIVULGAÇÃO
Imagem de divulgação do filme 'Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola', baseado em livro de Danilo Gentilli - DIVULGAÇÃO

Fábio Porchat se manifestou acerca da polêmica em comunicado. O ator afirma que o personagem não é um endosso à prática da pedofilia, mas uma exposição da realidade. "Quando o vilão faz coisas horríveis no filme, isso não é apologia ou incentivo àquilo que ele pratica, isso é o mundo perverso daquele personagem sendo revelado. Às vezes é duro de assistir, verdade."

Já Danilo Gentilli usou do Twitter para rebater: "O maior orgulho que tenho na minha carreira é que consegui desagradar com a mesma intensidade tanto petista quanto bolsonarista. Os chiliques, o falso moralismo e o patrulhamento veio forte contra mim dos dois lados. Nenhum comediante desagradou tanto quanto eu. Sigo rindo", escreveu.

O Globoplay e o Telecine classificaram como "censura" a determinação do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (15), de suspender imediatamente a exibição do filme "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" das plataformas de streaming do país.

A obra está disponível no catálogo dos dois serviços do grupo Globo. O comunicado enviado à coluna diz que a empresa está atenta "às críticas de indivíduos e famílias que consideraram inadequados ou de mau gosto trechos" da obra, mas entende que "a decisão administrativa do ministério da Justiça de mandar suspender a sua disponibilização é censura".

Comentários

Últimas notícias