HABITAÇÃO

Coronavírus: Caixa permite suspensão do pagamento da casa própria por três meses

Banco público anunciou também opção de pagamento parcial das prestações e carência de seis meses para início, no caso dos novos contratos

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 09/04/2020 às 11:33
Notícia
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Medidas anunciadas pela Caixa valem para contratos no SBPE e no Minha Casa MInha Vida - FOTO: Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (9) novas medidas para tentar manter em vigor os atuais contratos imobiliários firmados com o banco e o fechamento de novos negócios.  A partir desta segunda-feira (13), clientes que já estão pagando as parcelas da casa própria poderão pausar os repasses por até 90 dias (três meses) e, no caso de novos contratos, o início do pagamento só se dará após 180 dias (seis meses). 

De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, essas medidas irão ajudar a manter o ritmo de negócios com pessoas físicas e  construtoras, preservando cerca de 1,2 milhão de empregos na construção e beneficiando 5,5 milhões de famílias. "Isso permite que as empresas continuem trabalhando normalmente, pequenas, médias e grandes. Mais de 10 medidas. A mais impactante, que demonstra esse alinhamento da Caixa com pessoa física e empresas, são seis meses de carência (para pagamento de novos contratos", explica Guimarães. 

A  carência e  suspensão do pagamento vale para clientes pessoa física e jurídica, para contratos dentro do SBPE ou Minha Casa Minha Vida.  Os contratos inadimplentes, com mais de 61 dias de pagamento pendente, também poderão aderir às novas medidas. No caso de quem paga o imóvel com parte do FGTS, também será possível pedi a suspensão dos pagamentos, nesse caso do percentual que é pago com os recursos que não são do fundo. 

Quem já havia optado pela suspensão do contrato por dois meses, será automaticamente direcionado para o prazo de três meses. O anúncio das medidas foi feito através de uma live no Facebook. Questionado, o banco não deu retorno sobre como se dará a retomada dos pagamentos. 

Segundo a Câmara Brasileira da Indústria de Construção (Cbic), em parceria com a Associação Brasileiras das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e associações, em contrapartida, as construtoras disponibilizarão vouchers de até R$ 3 mil de desconto para compra de imóveis através da Caixa. 

Construtoras

No caso dos contratos com as construtoras, a Caixa também anunciou a possibilidade de antecipação por até três meses do cronograma de obra a executar.  Com o empreendimento em andamento, será possível negociar com o gerente do banco a antecipação de três meses do cronograma. "Isso gera liquidez para a construtora e tranquilidade no fluxo de caixa, o que por sua vez é muito importante para a manutenção dos empregos e da obra", avalia o Vice-presidente de habitação da Caixa, Jair Luiz Mahl. 

As construtoras que já tinham feito contrato com a Caixa e não  acessaram os recursos, poderão voltar atrás e solicitar os recursos que não tinha utilizado para ativação agora. Para manter o caixa das construtoras,  será disponibilizado também a antecipação de até 20% do financiamento no início da obra, para que a construtora não precise usar os recursos próprios no início da construção. 

No caso da carência de seis meses, ela é válida para o prazo de início das obras e de amortização da dívida das obras que estão sendo concluídas nos próximos meses com juros e atualização monetária.

Com essas medidas, a Caixa espera preservar a construção de 530 mil unidades habitacionais. Ao todo estão sendo disponibilizados R$ 43 bilhões ao segmento habitacional para atender esse demanda. Segundo a Caixa, no geral, por conta da pandemia já foram disponibilizados R$ 154 bilhões em novas linhas de crédito, sendo utilizados já R$ 35 bilhões.

A solicitação das novas medidas poderá ser feita através dos canais digitais da Caixa, além do atendimento nas próprias agências, a partir desta segunda-feira (13). 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias