Reajuste salarial

Bolsonaro poderá contrariar Guedes e negociar reajuste de servidores públicos

O presidente pretende realizar uma videoconferência com os Estados para tratar sobre o assunto

JC
JC
Publicado em 15/05/2020 às 7:47
Foto: AFP
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil e Paulo Guedes, ministro da Economia - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Na noite da última quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), disse que deverá realizar uma videoconferência com governadores para falar sobre o projeto de socorro aos estados que foi aprovado pelo Congresso. Bolsonaro disse também que, apenas após esta reunião, decidirá se irá vetar ou não o trecho do projeto que permite reajuste salarial a categorias do funcionalismo. 

"Ficou pré-acertado que [ele] pretende, juntamente comigo, fazermos uma vídeoconferência com os governadores de todo o Brasil e aí sair um compromisso no tocante a possível veto ou não de artigos desse projeto", relatou Bolsonaro em entrevista na frente do Palácio da Alvorada.

De acordo com o presidente, a reunião online é uma ideia do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ela pode acontecer em meados da próxima semana. 

Anteriormente

Na última segunda-feira (11), o presidente havia declarado que atenderia 100% o ministro da Economia, Paulo Guedes. 

O projeto de socorro aos estados dispunha, inicialmente, de um dispositivo que previa o congelamento de salários em municípios, estados e também na União até dezembro de 2021. Paulo Guedes, no entanto, defende que municípios, estados e União não reajustem o salário de seus servidores ao fim do próximo ano. Líderes de governo, autorizados por Bolsonaro, se uniram a parlamentares da oposição e do centrão afim de suavizar a medida.  

Na semana passada, Bolsonaro afirmou que deverá vetar a medida que poupa certas categorias deste congelamento, como policiais e oficiais das Forças Armadas, grupos da base de apoio do governo. Este seria um pedido de Guedes. 

Já na última quinta (14), o presidente admitiu que os estados e municípios estão em situação crítica, mas ainda não afirmou se vetará o trecho da proposta. Bolsonaro poderá contraria Paulo Guedes, e não etendê-lo em 100%, como havia dito anteriormente. "A ideia é tratar do assunto, porque esse assunto com os governadores é um socorro de, se não me engano, R$ 60 bilhões para governadores e prefeitos. E a preocupação do Paulo Guedes, que é justa, é que esse dinheiro não seja usado para qualquer reajuste salarial", disse. 

Além da discussão a respeito da proposta de reajuste salarial, Bolsonaro afirmou que durante a videoconferência que pretende realizar, tratará também sobre a possibilidade de reabertura do comércio, mesmo em um momento em que o país registra altos números de óbitos pelo coronavírus. "Já se começa a falar que esse vírus vai embora daqui um mês ou dois meses ", avaliou Bolsonaro.

Comentários

Últimas notícias