Coronavoucher

Com novas parcelas confirmadas por Bolsonaro, Caixa libera saque de auxílio emergencial para novo grupo

O grupo totaliza 2,6 milhões de pessoas, segundo a Caixa

JC
JC
Publicado em 05/06/2020 às 7:10
Notícia
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Os serviços disponibilizados na agência durante o feriado se resumiam ao saque do INSS, FGTS, abono salário, seguro desemprego, desbloqueio de cartões e senhas, mas tudo sem cartão. - FOTO: Foto: José Cruz/Agência Brasil
Leitura:

A Caixa Econômica Federal disponibiliza o saque e a transferência do auxílio emergencial de R$ 600 para nascidos em junho nesta sexta-feira (5). O pagamento acontece para as pessoas que estão inseridas no Cadastro Único (CadÚnico), mas não recebem o Bolsa Família, e que receberam a primeira parcela do benefício até o dia 30 de abril. O grupo totaliza 2,6 milhões de pessoas, segundo a Caixa. Enquanto todos os beneficiários do Bolsa Família já fizeram o saque da segunda parcela, para os inscritos no CadÚnico, o calendário obedece o mês de nascimento e vai até o dia 13 de junho.

Apesar de o saque só ser possível para os nascidos em junho nesta sexta, o auxílio já havia sido depositado na poupança digital e os beneficiários podiam fazer a movimentação através do aplicativo Caixa Tem para pagar contas, boletos e compras. Para os novos aprovados, que receberam a primeira parcela em maio por meio da poupança digital, a Caixa ainda irá liberar o calendário para saque e para que seja feito o depósito da segunda parcela.

Nessa quinta (4), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que foi acertado o pagamento de mais duas parcelas do auxílio emergencial, mas com valor inferior aos atuais R$ 600. "Vai ter, também acertado com o [ministro da Economia] Paulo Guedes, a quarta e a quinta parcela do auxílio emergencial. Vai ser menor do que os R$ 600, para ir partindo exatamente para um fim, porque cada vez que nós pagamos esse auxílio emergencial, dá quase R$ 40 bilhões. É mais do que os 13 meses do Bolsa Família. O Estado não aguenta. O Estado não, o contribuinte brasileiro não aguenta. Então, vai deixar de existir. A gente espera que o comércio volte a funcionar, os informais voltem a trabalhar, bem como outros também que perderam emprego", disse.

O auxílio emergencial foi criado em abril como forma de assistir trabalhadores informais que acabaram ficando sem renda por conta da pandemia do novo coronavírus. À princípio, o valor seria pago em três parcelas de R$ 600, ou R$ 1.200, para mães solteiras, até junho. No entanto, por conta do agravamento da pandemia e da crise econômica provocada por ela, parcelas extras do auxílio estão sendo discutidas pela equipe econômica do governo federal.

Durante coletiva realizada também nessa quinta-feira (04), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) declarou que o Governo Federal deve enviar o quanto antes a proposta de extensão no pagamento do auxílio emergencial, a partir do valor adicional de R$ 600 dividido em duas parcelas. Maia defendeu a agilização do processo, e solicitou que o governo envie o projeto à Câmera para que ele possa ser votado de forma rápida.

Sobre um novo lote de aprovados, com pouco mais de 10 milhões de pessoas ainda sem resposta sobre aprovação ou não do auxílio emergencial, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse nesta quarta-feira (3) que a expectativa é de que um novo "grande lote" seja liberado pela Dataprev na segunda semana de junho. Sem precisar quantas pessoas estarão incluídas nessa nova leva, Guimarães disse ter recebido do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, a previsão de conclusão dos processamentos dos cadastros pendentes nessa terça-feira (2).

Calendário de saque da segunda parcela do auxílio emergencial:

- 30 de maio (sábado) - para pessoas nascidas em janeiro;

- 1º de junho (segunda-feira) - para pessoas nascidas em fevereiro;

- 2 de junho (terça-feira) - para pessoas nascidas em março;

- 3 de junho (quarta-feira) - para pessoas nascidas em abril;

- 4 de junho (quinta-feira) - para pessoas nascidas em maio;

- 5 de junho (sexta-feira) - para pessoas nascidas em junho;

- 6 de junho (sábado) - para pessoas nascidas em julho;

- 8 de junho (segunda-feira) - para pessoas nascidas em agosto;

- 9 de junho (terça-feira) - para pessoas nascidas em setembro;

- 10 de junho (quarta-feira) - para pessoas nascidas em outubro;

- 12 de junho (sexta-feira) - para pessoas nascidas em novembro;

- 13 de junho (sábado) - para pessoas nascidas em dezembro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias