Entrevista

Padilha vê chance de esclarecer

A CPI da Covid vai investigar as ações do governo federal e o uso de verbas federais por Estados e municípios na pandemia de covid-19

Cássio Oliveira
Cássio Oliveira
Publicado em 29/04/2021 às 11:15
Notícia
HÉLIA SCHEPPA/ACERVO JC IMAGEM
DINHEIRO Secretário diz que recursos vinculados foram direto para o SUS - FOTO: HÉLIA SCHEPPA/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

Secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha acredita que a CPI que irá investigar as ações do governo e o uso de verbas federais por Estados e municípios na pandemia de covid-19 será importante para que os Estados esclareçam como foram utilizados os recursos destinados pelo governo federal. Porém, ele critica a politização em torno da comissão.

"Infelizmente, a gente vive com fake news diariamente. No combate à covid não adianta dizer onde está cada recurso no portal da transparência, as pessoas querem polêmica de grupo de WhatsApp. Então, a CPI vem para esclarecer, é uma oportunidade para isso. Vai ser tranquilo. Para mim, o debate político exacerbado é que está muito presente, não é a CPI, é a covid-19 que entrou em uma política que atrapalha ações do dia a dia", afirmou Décio em entrevista à Rádio Jornal, na manhã de ontem.

Questionado sobre a utilização de recursos em Pernambuco, o secretário esclareceu que há recursos que poderiam ser utilizados em qualquer área, outros não.

"A lei de socorro aos estados que mandou a Pernambuco perto de R$ 3 bilhões, que houve a celeuma, a confusão de que teriam sido R$ 42 bilhões, a lei é clara sobre o que vinculado e o que não é. Pernambuco recebeu cerca de R$ 1 bilhão de receita, em quatro parcelas fixas, não vinculáveis, foi para compensar queda de receita. E o que foi vinculado foi direto ao SUS. Não tem estresse, é muita política, muita confusão. Acho que o Brasil precisa pegar a trilha de volta, pois está muito polemizado", comentou.

Inicialmente, a CPI teria foco apenas nas omissões do governo federal durante a pandemia. Senadores governistas, porém, apresentaram um novo requerimento para que os repasses da União para os outros entes também entrassem na lista de objetos a serem investigados. A inclusão foi defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, que busca tirar as atenções apenas do seu governo e, de quebra, atingir adversários como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A únião dos dois temas na CPI foi aprovada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), eleito para o cargo com apoio do Palácio do Planalto. Pacheco chegou a ser chamado publicamente de ingrato pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), por não impedir Renan de assumir como relator.

Matéria de origem

Comentários

Últimas notícias