AUMENTO

É o fim do 3 por 10? Sextou com cerveja mais cara: entenda o aumento anunciado pela empresa

Os preços das cervejas da Ambev vão aumentar entre 6% e 8% em todo o País

Vanessa Moura
Vanessa Moura
Publicado em 30/09/2021 às 12:16
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Houve aumento no consumo abusivo de bebidas alcoólicas e no sedentarismo entre a população brasileira - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Para grande parte dos trabalhadores, a sexta-feira é o dia favorito na semana. Também pudera, é ela quem antecede o sábado e é nela que as pessoas tem a liberdade de sair do trabalho com mil planos de diversão. Cervejinha, petiscos e conversa fiada com os amigos, por exemplo. O problema é que, a partir desta sexta-feira (1º), o sextou pode pesar um pouco mais no bolso do consumidor e o Happy Hour deve ficar mais caro. 

Isso acontece porque os preços das cervejas da Ambev vão aumentar entre 6% e 8% em todo o País. Por isso, restaurantes e bares não poderão evitar essa alta, que será repassada integralmente ao consumidor.

Para Mayara Britto, 32, que é Securitária e amante da bebida, o ajuste, infelizmente, já era esperado. "Era de se esperar, né? Porque todos os produtos que consumimos têm aumentado, com a cerveja acredito que não seria diferente. Acho que isso é um alerta e nós precisamos nos ligar. Se a galera não se importou quando os aumentos chegaram aos itens básicos, que pelo menos se importe agora que chegou na cervejinha", opinou.

No comunicado enviado aos lojistas e distribuidores, a Ambev disse que o aumento vai seguir "a variação da inflação, variação de custos, câmbio e carga tributária". Ainda segundo a empresa, "os reajustes podem variar entre regiões, marcas, embalagens e segmentos".

O ajuste foi confirmado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), que afirmou, ainda, que o aumento deve estar alinhado à inflação acumulada nos últimos 12 meses, que gira em torno de 10%. A cervejaria Ambev concentra 60% de participação de mercado no País e é dona das marcas Antartica, Brahma, Bohemia, Skol e Stella Artois.

O peso no bolso, agora, fica pro trabalhador. "Eu reconheço meus privilégios, eu trabalho e tenho um bom emprego, mas penso nos trabalhadores que tem uma renda muito baixa e que agora realmente terão que optar por cervejas de qualidade inferior, num preço mais acessível", completou. 

Memes

Nas redes sociais, os internautas brasileiros transformaram um limão em limonada, como de costume, e decidiram rir da situação. Confira algumas reações:

Preços na indústria

Em setembro, o aumento de preços na indústria subiu como um todo 1,86% frente ao mês de agosto. Com isso, as 24 atividades analisadas tiveram alta de valores, o que somente havia ocorrido em agosto de 2020.

Os dados são do Índice de Preços ao Produtor (IPP) divulgados nesta quarta-feira (29) pelo IBGE, que mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, sem impostos e frete das indústrias extrativas e da transformação.

No ano, o aumento acumulado nos preços da indústria chegou a 23,55% e, em 12 meses, a 33,08%.

O setor de alimentos foi o que mais influenciou o resultado geral do IPP de agosto (0,51 ponto percentual). Na comparação com o mês de julho, os alimentos subiram 2,19%, sendo a sétima taxa positiva observada ao longo de 2021 (a única negativa foi a de junho, em 0,14%) e a segunda maior do ano, perdendo apenas para os 2,66% registrados em abril. No ano, o segmento acumula alta de 12,47%.

Veja as marcas vendidas pela Ambev

  • Adriática
  • Andes
  • Antarctica
  • Beck's
  • Berrió do Piauí
  • Bohemia
  • Brahma
  • Budweiser
  • Caracu
  • Cervejaria Colorado
  • Corona
  • Esmera de Goiás
  • Franziskaner
  • Goose Island
  • Hoegaarden
  • Kona
  • Leffe
  • Legítima
  • Magnífica do Maranhão
  • Michelob Ultra
  • Modelo
  • Nossa
  • Original
  • Patagonia
  • Polar
  • Serramalte
  • Serrana
  • Skol
  • Spaten
  • Stella Artois
  • Três Fidalgas
  • Wäls
  • Chopp Brahma
  • Chopp Brahma Black

Comentários

Últimas notícias