futebol

Há 70 anos, grupos da Copa do Mundo 1950 eram sorteados no Brasil

O sorteio foi feito no Rio de Janeiro, então capital do país, pelo ministro das relações exteriores Raul Fernandes

Karoline Albuquerque
Karoline Albuquerque
Publicado em 22/05/2020 às 21:50
Notícia
DIVULGAÇÃO/FIFA
O sorteio aconteceu no Palácio do Itamaraty. - FOTO: DIVULGAÇÃO/FIFA
Leitura:

O dia 22 de maio caiu em uma segunda-feira no ano de 1950. Foi na tarde daquele inicio de semana que o Rio de Janeiro, então capital do Brasil, recebeu o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo daquele ano, realizada em solo brasileiro. No palácio do Itamaraty, as delegações de 14 seleções compareceram. Nesta sexta-feira (22), a data completa 70 anos.

A Copa de 1950 foi a primeira depois da Segunda Guerra Mundial. Ao relembrar a data, a Fifa diz que "uma parte significativa do mundo que ainda cuidava das feridas deixadas" viravam a atenção para o globo com a bolinhas numeradas. Cada uma equivalente a uma seleção, além das bolinhas separadas de Brasil, Inglaterra, Itália e Uruguai como cabeças de chave, escolhidos pela Confederação Brasileira de Desportos, antigo nome da CBF, e confirmados pela Fifa.

As bolinhas tinham números representando (1) Bolívia; (2) Chile; (3) Espanha; (4) Estados Unidos; (5) França; (6) Índia; (7) Iugoslávia; (8) México; (9) Paraguai; (10) Suécia; (11) Suíça e (12) ainda a ser definida. Europeus, asiáticos e centro-americanos disputaram eliminatórias, enquanto sul-americanos entraram como convidados na competição.

A bolinha de número 12 seria a Turquia, mas a seleção desistiu de disputar a Copa do Mundo. O convite foi para Portugal, que também não quis. Assim, cada cabeça de chave foi para um grupo. No salão que recebeu a cerimônia, as conversas aconteciam em diversos idiomas e o silêncio só foi feito quando o ministro das relações exteriores Raul Fernandes abriu a portinha do globo para que o primeiro número rolasse para fora.

Era a bolinha 7, representando a Iugoslávia. O antigo país ficou no Grupo 1 e seria o primeiro oponente do Brasil. "Número três para o Grupo 2", anunciou Raul Fernandes. A Espanha foi encaminhada para o grupo da Inglaterra. As seleções foram sorteadas até que o primeiro grupo tivesse também México e Suíça e o grupo 2 Estados Unidos e Chile. O grupo 3 ficou com Itália, Suécia, Paraguai e Índia e o quarto grupo com Uruguai, França e Bolívia, além da seleção a ser definida.

EUA e Chile duelaram na Ilha do Retiro. Foto: Arquivo Jornal do Commercio

No dia 24 de junho, a bola rolou para a Copa do Mundo. No Maracanã, o Brasil goleou o México por 4x0, com mais de 80 mil torcedores presentes. Antes do início da competição, porém, os grupos foram modificados. A Índia também desistiu de jogar o Mundial. O motivo: os jogadores se recusaram por não poderem jogar descalços. A França saiu em protesto aos 3,5 mil quilômetros que teria que percorrer entre dois jogos.

De 16 equipes, restaram 13. A formatação do torneio ficou em dois grupos com quatro seleções, um grupo com três e outro com duas equipes. Os dois primeiros foram mantidos. O terceiro ficou com Suécia, Itália e Paraguai. Bolívia e Uruguai foram os dois únicos times no Grupo 4.

Naquela Copa do Mundo, o Recife recebeu um jogo. O embate entre Chile e Estados Unidos aconteceu na Ilha do Retiro, com vitória da equipe sul-americana por 5x2, diante de 8,5 mil torcedores, na tarde de 2 de julho de 1950.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias