ATITUDE

Ex-campeão mundial de boxe Mayweather pagará funeral de George Floyd

Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu há uma semana asfixiado por um policial branco em Minneapolis

AFP
AFP
Publicado em 02/06/2020 às 15:44
AFP
George Floyd morreu asfixiado por um policial branco, nos EUA - FOTO: AFP
Leitura:

O ex-astro do boxe Floyd Mayweather custeará as despesas dos serviços funerários de George Floyd, disse nesta segunda-feira (1) o diretor-executivo da Mayweather Promotions, Leonard Ellerbe, à emissora ESPN. Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu há uma semana asfixiado por um policial branco em Minneapolis (Minnesota), que o imobilizou pressionando o joelho contra seu pescoço por quase nove minutos.

A morte de Floyd, que estava desarmado e algemado, foi gravada em vídeo e gerou a maior onda de protestos nos Estados Unidos nas últimas décadas. Ellerbe confirmou à ESPN que a família de Floyd aceitou a oferta de Mayweather para pagar as despesas dos serviços funerários. "Provavelmente ele ficará irritado comigo por dizer isso, mas sim, (Mayweather) definitivamente está pagando o funeral", disse Ellerbe.

Mayweather "tem feito este tipo de coisa nos últimos 20 anos", explicou Ellerbe, que disse que o ex-campeão mundial de cinco divisões - aposentado dos ringues em 2017 com um recorde de 50 vitórias e nenhuma derrota - não quis fazer declarações sobre seu gesto. O advogado da família de Floyd disse nesta segunda-feira que o funeral será celebrado em 9 de junho em Houston. Anteriormente, os familiares celebrarão uma cerimônia de despedida em Minneapolis na quinta-feira e outra no sábado no estado da Carolina do Norte, onde Floyd nasceu.

Uma necropsia oficial divulgada nesta segunda-feira determinou que Floyd morreu vítima de "homicídio", devido à "compressão do pescoço", quando um policial o imobilizou. O agente Derek Chauvin foi detido e denunciado por homicídio culposo. Manifestantes se estendem por dezenas de cidades americanos, reivindicando que outros três policiais que também imobilizaram Chauvin também sejam processados.

Comentários

Últimas notícias