OLIMPÍADA

Ligação para esposa e tentativa de abraço em repórter; Kelvin Hoefler se emociona em entrevista após medalha de prata no skate

Kelvin Hoefler fez história ao conquistar a primeira medalha do Brasil no Skate Street, modalidade que estreou no programa olímpico. A prata obtida pelo paulista foi também a primeira obtida pelo Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

JC
JC
Publicado em 25/07/2021 às 2:55
Notícia
Jeff PACHOUD / AFP
Kelvin Hoefler ganhou a medalha de prata no skate street - FOTO: Jeff PACHOUD / AFP
Leitura:

Kelvin Hoefler fez história ao conquistar a primeira medalha do Brasil no Skate Street, modalidade que estreou no programa olímpico. A prata obtida pelo paulista foi também a primeira do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio. 

Após medalha de Kelvin Hoefler, internautas questionam se há problemas entre a delegação brasileira de skate; entenda

Visivelmente emocionado, ele falou das dificuldades até chegar ao ápice, com a conquista da medalha olímpica. "É difícil descrever, foram muitos anos de luta. Isso representa o skate brasileiro, nossa garra, persistência. O skate do Brasil merece. É o começo de uma geração que está por vir", disse Kelvin.

"Vim de uma cidade pequena, que não tinha prática do skate. Era bem difícil conciliar, meu pai policial. O skate me abraçou", complementou. 

Kelvin Hoefler conquista a prata no skate street, a primeira medalha do Brasil na Olimpíada de Tóquio

Horários Olimpíadas 2021: veja as partidas e disputas deste domingo (25)

Hexacampeão mundial, Hoefler vive em Los Angeles, na Califórnia, mas cresceu no litoral paulista. Ele é de Vicente de Carvalho, na periferia do Guarujá (SP), e começou a praticar a modalidade aos 9 anos na cozinha da casa dele. Vendo o jeito do filho para a coisa, o pai passou a incluir alguns obstáculos no trajeto até a garagem, passando pela sala, e o menino foi se desenvolvendo. 

"Tive uma lesão esses dias, machuquei o ombro, as costelas. Lembrei da luta que eu vim. Nunca fui o favorito, prefiro ser assim, mantendo o pé no chão", disse Kelvin.

CELULAR E ABRAÇO

Durante a disputa da final, as imagens flagraram várias vezes o brasileiro falando no celular entre uma manobra e outra. "Era minha esposa, Ana Paula, fotógrafa e me ajuda muito. Pâmela Rosa (que vai competir neste domingo pela equipe brasileira do street) também me deu aquela motivação. Foi a minha coach", disse Kelvin, que quis dar um abraço no repórter da Globo, Kiko Menezes, que fazia a entrevista. O abraço não veio, em respeito ao distanciamento social por conta da pandemia, mas teve um sonoro cumprimento. 

Comentários

Últimas notícias