OLIMPÍADA

Skate e Surfe arrasam. Vôlei vira pra cima da Argentina; veja um balanço do desempenho do Brasil na Olimpíada nesta segunda (26)

Brasil contabiliza três medalhas até agora na Olimpíada de Tóquio; duas no skate e outra no judô

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 26/07/2021 às 11:25
Notícia
COB
Maranhense de 13 anos é a atleta mais jovem a participar das Olimpíadas pelo Brasil. - FOTO: COB
Leitura:

Skate e o surfe dominaram atenções dos brasileiros nesta segunda-feira (26). Na madrugada, Rayssa Leal, a "fadinha", ganhou a medalha de prata no skate street. No surfe, Gabriel Medina e Ítalo Ferreira avançaram para as quartas de final, assim como Silvana Lima no feminino.

Praticamente fechando o dia de disputas em Tóquio, o Brasil virou para cima da Argentina no vôlei masculino, 3 sets a 2. As competição será retomada à noite, horário de Brasília, manhã de terça (27) no Japão.

Horários Olimpíadas 2021: veja as partidas e disputas desta segunda (26)

Jornalista holandês faz ofensas pesadas à pernambucana Bárbara, da seleção brasileira feminina nas Olimpíadas: "porca com suéter"

Por que a Rússia não compete com o nome do País? Entenda

SKATE

Um conto de fadas. O dia 26 de julho certamente ficará marcado no imaginário de todo amante do esporte brasileiro. Após conquistar o coração do país pelo seu carisma, a skatista Rayssa Leal conquistou o mundo ao ganhar a medalha de prata no Skate Street nas Olimpíadas de Tóquio. O ouro ficou com a japonesa Momiji Nishiya.

Rayssa foi a atleta mais jovem à representar o Brasil em uma Olimpíada. Nas eliminatórias, a maranhense de Imperatriz ficou na terceira colocação geral. Nas duas rodadas de manobras livres, a Fadinha teve notas de 3,29 e 2,01. Já na etapa de manobras únicas, Rayssa teve: 2,82; 0,0; 3,37; 3,37 e 5,5.

Na grande final, ela teve as seguintes notas: 2,94; 3,13; 0,0; 4,21 e 3,39. Vale lembrar que Pâmela Rosa e Leticia Bufoni não alcançaram o Top-8 nas eliminatórias e não foram à decisão.

SURFE

Os surfistas do Brasil seguem se destacando na praia de Tsurigasaki, no Japão. Gabriel Medina e Italo Ferreira confirmaram o favoritismo em suas baterias e avançaram às quartas de final nos Jogos Olímpicos de Tóquio, na madrugada desta segunda-feira, pelo horário de Brasília.

Os dois encararam um mar revolto, bem ao gosto dos seus estilos de surfe, mas com ondas maiores do que na primeira fase da disputa, na noite de sábado, pelo horário de Brasília. Fazendo bonito nos aéreos, eles brilharam. Medina venceu o australiano Julian Wilson por 14,33 a 13,00, enquanto Italo bateu o neozelandês Billy Stairmand com facilidade, por 14,54 a 9,67.

Os dois devem voltar à praia japonesa na noite desta segunda, pelo horário brasileiro. A organização fará chamada para as quartas de final às 19 horas.

No feminino, Silvana Lima derrotou por 12.17 a 7.50 a portuguesa Teresa Bonvalot, e vai enfrentar a americana Carissa Moore, quatro vezes campeã do Circuito Mundial. Já a gaúcha Tatiana Weston-Webb não conseguiu superar a japonesa Amuro Tsuzuki e foi eliminada nas oitavas (10.33 a 9.00).

TAEKWONDO

A brasileira Milena Titoneli perdeu a disputa da medalha de bronze na categoria até 67 quilos no taekwon do, nesta segunda-feira (26), ao ser derrotada pela marfinense Ruth Gbagbi, por 12 a 8. Na história olímpica, o Brasil soma duas medalhas nesta modalidade, todas de bronze. Em 2008, Natália Falavigna conquistou o terceiro lugar, feito repetido por Maicon Siqueira, na Rio-2016.

Aos 22 anos, em sua primeira experiência olímpica, Milena teve pela frente uma rival experiente, campeã mundial em 2017 e bronze na Rio-2016. Com isso, o primeiro round foi de muito estudo dos dois lados, com as atletas buscando pouco o ataque, com o placar de 1 a 1.

O segundo round foi o mais disputado. Gbagbi abriu 4 a 1 no placar, mas Milena logo empatou, mas a rival, dona de um chute muito preciso no corpo, terminou o período com 6 a 4. Os últimos dois minutos sempre tiveram a africana na frente e um chute na cabeça da brasileira no minuto final definiu o triunfo da marfinense.

CICLISMO

Não foi desta vez que o Brasil ganhou uma medalha olímpica no mountain bike. Henrique Avancini, número 3 do mundo e um dos dois representantes do país na modalidade nos Jogos de Tóquio, chegou a liderar a prova, mas não conseguiu segurar o ritmo e terminou em 13º, melhor colocação de um brasileiro na história das Olimpíadas, nesta segunda-feira (26).

HANDEBOL

A seleção brasileira masculina de handebol perdeu para França por 34 a 29, na manhã desta segunda-feira (noite de domingo no Brasil), pela segunda rodada do Grupo A dos Jogos de Tóquio.

NATAÇÃO

Fernando Scheffer avançou à final dos 200 metros livre com o oitavo melhor tempo das semifinais: 1min45s71. Curiosamente, registrou tempo pior em comparação às eliminatórias, quando anotou 1min45s05. Em sua bateria, ele chegou a liderar a disputa no começo, mas terminou em terceiro. A final será na noite de segunda-feira, pelo horário de Brasília.

VÔLEI DE PRAIA

A dupla brasileira formada por Ana Patricia e Rebecca estreou com vitória no vôlei de praia nos Jogos de Tóquio-2020 nesta segunda-feira ao derrotar as quenianas Makokha e Khadambi por 2 sets a 0, parciais de 21/15 e 21/9, pelo Grupo D.

O primeiro set no Shiokaze Park foi mais acirrado. As africanas chegaram a abrir 4-3 no início, mas o Brasil reagiu e conseguiu manter a vantagem até o fim.

No segundo set a dupla brasileira fez valer sua superioridade técnica. Rebecca marcou três pontos de saque, sendo que o mais veloz atingiu de 58km/h. As brasileiras ficaram em vantagem do início ao fim do set e venceram por 21/9, sem dificuldades.

Com o resultado, o Brasil mantém a campanha 100% no vôlei de praia no Japão, com duas vitórias no feminino e duas no masculino.

VÔLEI

Em jogo eletrizante do começo ao fim, nos Jogos de Tóquio 2020, a seleção brasileira de vôlei bateu a Argentina por 3x2. Os argentinos abriram dois sets de vantagem, mas os brasileiros mostraram repertório ofensivo e viraram o jogo no tie break.

A Argentina quebrou a defesa brasileira nos primeiros sets e venceu por 25 a 19 e por 25 a 21, em seguida. Mas com Lucarelli e Leal brilhando, O Brasil reagiu na hora certa ao vencer o terceiro set por 25 a 16 e o quarto por 25 a 21. No tie break, o placar ficou apertado a todo instante, mas os brasileiros mostraram superioridade técnica e venceram pelo placar de 16 a 14.

Comentários

Últimas notícias