OLIMPÍADA

"É uma forma honrosa de um espírito olímpico", disse o técnico pernambucano do Quênia após jogo contra o Brasil. E ele está certo!

Pernambucano de Caruaru, Luizomar Moura aceitou o convite da Federação Internacional de Vôlei para comandar as quenianas na Olimpíada. E estava muito emocionado

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 02/08/2021 às 13:28
Artigo
Luis ROBAYO / AFP
Brasil e Quênia foi um jogo de opostos - FOTO: Luis ROBAYO / AFP
Leitura:

A seleção brasileira feminina de vôlei completou a campanha perfeita na primeira fase dos Jogos Olímpicos de Tóquio com vitória por 3 sets a 0 sobre o Quênia na manhã desta segunda-feira (2).

Veja lista atualizada dos brasileiros que ganharam medalha nas Olimpíadas de Tóquio 2020

Horários Olimpíadas 2020: veja as partidas e disputas desta segunda (2/8)

Porém, muito mais do que o triunfo e os 100% de aproveitamento (cinco vitórias), a cena que mais chamou a atenção foi o fraterno abraço entre as brasileiras Natália, Tandara e Camila no técnico do time africano, Luizomar Moura, no fim da partida.

Pernambucano de Caruaru, o treinador aceitou o convite da Federação Internacional de Vôlei para comandar as quenianas na Olimpíada. E estava muito emocionado com a manifestação das brasileiras e com o reconhecimento do trabalho realizado, mesmo com o Quênia perdendo os cinco jogos. "É uma forma honrosa de um espírito olímpico. É uma semente plantada", disse Luizomar. Ele teve covid-19 e esteve ameaçado de não participar do evento. 

Assim como a maioria dos países africanos, a dificuldade para a prática esportiva é imensa. O treinamento das quenianas foi feito em quadras de areia. E com o treinador tendo que levar material, como bolas. Muitas jogadoras eram de outras modalidades, como futebol e atletismo. Por toda as adversidades, estavam se divertindo em quadra. Isso vale muito mais!

Comentários

Últimas notícias