COMEMORAÇÃO

"É nosso, Nordeste", gritam Daniel Alves e Matheus Cunha após Brasil conquistar ouro no futebol em Tóquio

Dani Alves e Matheus Cunha são, respectivamente, baiano e paraibano

Marcelo Aprígio
Marcelo Aprígio
Publicado em 07/08/2021 às 12:21
Notícia
Anne-Christine POUJOULAT / AFP
Daniel Alves com a medalha de ouro sobre a cabeça - FOTO: Anne-Christine POUJOULAT / AFP
Leitura:

Após conquistar o ouro nas Olimpíadas de Tóquio, o lateral Daniel Alves e o atacante Matheus Cunha dedicaram a medalha à Região Nordeste. Isso porque o capitão da seleção canarinha é baiano, e o autor de um dos gols da vitória brasileira por 2x1 sobre a Espanha nasceu na Paraíba e tem profunda ligação com Pernambuco. Ao fim da partida, os atletas gravaram um vídeo para as redes sociais e gritaram: "É nosso [ouro], Nordeste".

É ouro

Após uma partida eletrizante e perigosa para os cardíacos, a seleção brasileira sagrou-se bicampeã do futebol nas Olimpíadas de Tóquio neste sábado (7). Os brasileiros venceram os espanhóis por 2 a 1, na prorrogação. O jogo foi realizado no estádio de Yokohama, palco do penta do Brasil em 2002. Os gols brasileiros foram marcados por Matheus Cunha e Malcom. Já Oyarzabal balançou as redes para o lado espanhol.

Com o resultado, o Brasil se torna o segundo maior vencedor do torneio olímpico, com dois ouros, atrás apenas de Reino Unido e Hungria, que possuem três medalhas douradas. No número total de idas ao pódio, com sete, o país já lidera no futebol masculino.

A medalha de bronze no futebol masculino nos Jogos de Tóquio ficou com o México, que venceu o Japão por 3 a 1.

O jogo

O jogo teve início com a Espanha marcando pesado no setor defensivo brasileiro, deixanda Canarinha com dificuldades para passar do meio de campo. Apesar disso, a pressão espanhola quase não se converteu em chances de gol, com exceção de uma bola cruzada na área que Diego Carlos, antes de cortá-la, quase marcou contra.

Pouco a pouco, o time comandado por André Jardine conseguiu encontrar espaços para fazer avançar, dando forma ao que poderia ser o primeiro gol da partida. Unai Simón saiu mal do gol, fez pênalti em Matheus Cunha, mas Richarlison cobrou muito mal, por cima do gol.

Nos acréscimos do primeiro tempo, saiu a bola certeira de Matheus Cunha. Em bola cruzada na área, ele brigou com os zagueiros, conseguiu clarear a finalização e não perdoou: 1 a 0 Brasil.

Na volta do intervalo, a Espanha se viu obrigada a buscar mais o ataque e tentar o empate, que não demorou muito a sair. Aos 16 minutos, Oyarzabal bateu de primeira o cruzamento e escreveu 1 a 1 no placar.

Depois disso, a Espanha foi se aproximando de vencer no tempo regulamentar, com duas bolas na trave no segundo tempo, assustando o goleiro Santos.

 

Tiziana FABI / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - Tiziana FABI / AFP
LOIC VENANCE / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - LOIC VENANCE / AFP
MARTIN BERNETTI / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - MARTIN BERNETTI / AFP
Anne-Christine POUJOULAT / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - Anne-Christine POUJOULAT / AFP
LOIC VENANCE / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - LOIC VENANCE / AFP
LOIC VENANCE / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - LOIC VENANCE / AFP
Anne-Christine POUJOULAT / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - Anne-Christine POUJOULAT / AFP
MARTIN BERNETTI / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - MARTIN BERNETTI / AFP
Anne-Christine POUJOULAT / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - Anne-Christine POUJOULAT / AFP
LOIC VENANCE / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - LOIC VENANCE / AFP
Vincenzo PINTO / AFP
As imagens da conquista do bicampeonato do Brasil nas Olimpíadas de Tóqui 2020 - Vincenzo PINTO / AFP
Tiziana FABI / AFP
Final do Futebol Olímpico - Brasil x Espanha - Tiziana FABI / AFP

Prorrogação

O Brasil sentiu o cansaço e o técnico André Jardine guardou as substituições para a prorrogação. Malcom foi o primeiro a entrar e colocou o Brasil novamente no domínio das ações.

Logo no começo do segundo tempo da prorrogação, recebeu lançamento no contra-ataque e fez na sáida do goleiro espanhol: 2 a 1 Brasil.

Ficha do jogo

Brasil 2

Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho; Antony (Gabriel Menino), Richarlison e Matheus Cunha (Malcom). Técnico: André Jardine.

Espanha 1

Simón; Óscar Gil (Vallejo), Eric García, Pau Torres e Cucurella (Miranda); Zubimendi (Moncayola), Merino (Soler) e Pedri; Asensio (Bryan Gil); Olmo, Oyarzabal (Rafa Mir). Técnico: Luis de La Fuente.

Árbitro: Chris Beath (Austrália)
Assistentes: Anton Shchetinin (Austrália) e George Lakrindis (Austrália)
Quarto árbitro: Artur Dias (Portugal)
VAR: Abdulla Al Marri (Catar)
Gols: Matheus Cunha (Brasil, 46' do 1ºT), Oyarzabal (Espanha, 16' do 2ºT) e Malcom (Brasil, 2' do 2ºT da prorrogação)

Confira o quadro de medalhas

Comentários

Últimas notícias