Timbu

Acosta lembra de proposta para trocar o Náutico pelo Sport em 2008

Acosta participou de Live no Instagram oficial do Náutico

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 29/05/2020 às 7:33
Notícia
JC IMAGEM
Acosta brilhou no Náutico em 2007 - FOTO: JC IMAGEM
Leitura:

Xodó da torcida do Náutico, o atacante uruguaio Acosta esclareceu a saída do Timbu em 2008 após ganhar projeção nacional no Timbu na Série A do Campeonato Brasileiro de 2007. Em live no perfil oficial do clube vermelho e branco no Instagram, ele lembrou que em toda temporada só recebeu o salário em cinco meses. E o ex-camisa 25 não se arrepende de não ter colocado o time na Justiça. Ainda, de acordo com o atleta, de 43 anos, que ainda atua no futebol de Brasília, o Corinthians ofereceu um salário quatro vezes maior.

LEIA MAIS

Na Live do Torcedor, Gallo esclarece que não indicou Mancini para o Náutico em 2013

Jefferson exalta trabalho com a análise de desempenho do Náutico

Lateral do Náutico lamenta possibilidade de jogos sem a presença da torcida

"Tem muito torcedor que ficou chateado. Falo com muito hoje em dia. Mas, tipo assim, quando joguei no Náutico, participei de todo um ano e só recebi cinco meses. Nem por isso coloquei o time na Justiça", afirmou o uruguaio. "O Corinthians me ofereceu quatro vezes mais. Fiquei com um pé atrás, mas era uma situação difícil. O presidente (Maurício Cardoso) me pediu até para ficar, mas não tinha como", completou.

Acosta também destacou que a outro proposta, além do Corinthians, era o Sport. Segundo o atacante, ele chegou a sentar para negociar com a direção rubro-negra na época. Porém, na hora de bater o martelo, desisto do acordo pela consideração que tem com o Náutico.

"Mas para se ter uma ideia, eu poderia ter ido jogar no Sport e não fui. Preferi ir para o Corinthians. Até cheguei a sentar com a direção lá. Só que não dava para trocar o Náutico pelo rival. Isso pelo carinho e ligação mesmo", disse.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias