Venezuela

Maduro pede que seus militares 'limpem seus fuzis' diante de um grupo de comando criado na Colômbia

A Venezuela rompeu relações com a Colômbia em fevereiro de 2019, depois que Duque reconheceu Guaidó como presidente interino do país.

AFP
AFP
Publicado em 17/02/2021 às 18:53
Notícia
Frederico Parra / AFP
Nicolas Maduro, presidente da Venezuela - FOTO: Frederico Parra / AFP
Leitura:

O presidente venezuelano Nicolás Maduro ordenou às Forças Armadas que limpassem os "canos dos fuzis" nesta quarta-feira (17), depois que a Colômbia anunciou um comando de elite para combater grupos insurgentes que, segundo o presidente Iván Duque, se refugiam na Venezuela.

>> Maduro se diz disposto a estabelecer "novo caminho" com EUA

>> Missão da ONU vincula Maduro e governo venezuelano a crimes contra a humanidade

>> Venezuela tem reservadas até 2,4 milhões de vacinas da AstraZeneca, diz OMS

"Disse às Forças Armadas que respondessem com força às declarações imprudentes de Iván Duque sobre a Venezuela, que as contestem e limpem os canos de nossos fuzis no plano que temos que responder se Iván Duque se atreve a violar a soberania da Venezuela", afirmou Maduro em uma entrevista coletiva com jornalistas internacionais.

"Se Iván Duque se atreve a tocar em um milímetro do território venezuelano, não enlouqueça, Iván Duque! Conheça seus limites e respeite a Venezuela", lançou Maduro, cujo mandato é desconhecido pelo governo Duque, que em vez reconhece o líder oposicionista Juan Guaidó.

O presidente chavista também destacou que as denúncias sobre a presença de insurgentes no país caribenho são uma "repetição" que busca desviar a atenção dos "graves problemas" do país vizinho.

As declarações de Maduro seguem o anúncio de um comando de elite para combater guerrilheiros dissidentes das FARC, rebeldes do ELN e narcotraficantes que será lançado em 26 de fevereiro e entrará em "operação plena" em maio.

"É claro que na Venezuela muitos deles estão protegidos porque o Cartel dos Sóis está ao lado de Nicolás Maduro, realizando operações de narcotráfico", ressaltou Duque em 8 de fevereiro.

Durante o anúncio, Duque não mencionou ações diretas ou encobertas em território venezuelano.

Dissidentes, ELN e gangues de narcotraficantes de origem paramilitar lutam atualmente pelas rotas de exportação de cocaína, mineração ilegal e extorsão na Colômbia, que atravessa a pior onda de violência desde o desarmamento das FARC.

A Venezuela rompeu relações com a Colômbia em fevereiro de 2019, depois que Duque reconheceu Guaidó como presidente interino daquele país.

 

Últimas notícias