CONFRONTO

Imprensa internacional repercute operação no Jacarezinho, a que mais matou no Rio de Janeiro

Durante a operação, ao menos 25 pessoas morreram na comunidade da cidade do Rio de Janeiro

Rute Arruda Julianna Valença
Rute Arruda
Julianna Valença
Publicado em 06/05/2021 às 22:30
Notícia
Reprodução/Redes sociais
Operação no Jacarezinho nesta quinta-feira (6) - FOTO: Reprodução/Redes sociais
Leitura:

A imprensa internacional repercutiu a operação policial na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, contra o tráfico de drogas que aconteceu nesta quinta-feira (6) e deixou ao menos 25 mortos durante tiroteio. Um levantamento do G1 apontou que a operação foi a mais letal do Rio.

De acordo com a Polícia Civil do Rio de Janeiro, um dos mortos foi o policial André Leonardo de Mello Frias, da Delegacia de Combate à Droga, e as outras 24 mortes foram de criminosos.

O jornal britânico The Guardian disse que a operação foi uma carnificina. "Fotografias e vídeos feitos pelos moradores e compartilhados com o jornal mostram cadáveres ensanguentados espalhados nas estreitas vielas da favela e ao lado do rio poluído que dá nome do Jacarezinho", mostra a reportagem.

REPRODUÇÃO
The Guardian - REPRODUÇÃO

"Os tiroteios feriram dois passageiros do metrô, que circula na superfície daquela parte da cidade, afirmam as reportagens, que mostram pacientes sendo atendidos na plataforma", escreveu o argentino La Nacion.

O The Washington Post disse que o "número de mortos foi chocante, mostrando o controle duradouro da violência no maior país da América Latina", mesmo com operações bélicas sendo realizadas constantemente.

REPRODUÇÃO
The Washington Post - REPRODUÇÃO

O The Sunday disse que "foi o maior número de mortes em uma operação policial no estado, que há décadas sofre com a violência relacionada às drogas".

Já o The Guardian pontuou que a operação ocorreu mesmo após o Supremo Tribunal Federal (STF) restringir ações em favelas durante a pandemia do novo coronavírus.

Operação contra tráfico deixa mortos em comunidade do Rio de Janeiro

A Polícia Civil do Rio de Janeiro realizou, na manhã desta quinta-feira (6), uma operação contra o tráfico, na comunidade do Jacarezinho, localizada na Zona Norte. Mesmo após o Supremo Tribunal Federal (STF) restringir a realização de operações durante a pandemia. De acordo com a polícia, cerca de 24 suspeitos e um policial morreram no confronto, além disso outros dois policiais foram feridos na perna e de raspão no braço.

De acordo com apuração do Portal UOL, até o começo da tarde a ação continuava na comunidade e o clima era de tensão entre os moradores. “São muito policiais entrando aqui no Jacarezinho. São muitos. É desesperador. São grupos com mais de dez espalhados. Tem blindado, tem helicóptero, teve tiro, teve bomba. Ninguém consegue sair para trabalhar. Dá muito medo”, relatou uma moradora da comunidade do Jacarezinho, ao UOL.

Dois passageiros que estavam dentro do metrô na região da estação Triagem, que fica nas proximidades da comunidade do Jacarezinho - foram atingidos por disparos. Segundo o UOL, ambas as vítimas foram socorridas e estão em estado de saúde estável.

O policial morto seria da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod). Em nota, a Secretaria Estadual de Polícia Civil do RJ disse que "se solidariza com amigos e familiares, e sente muito a dor pela morte do inspetor que teve uma trajetória ilibada na instituição, sendo admirado e respeitado por todos. Ele honrou a profissão que amava e deixará saudade. Mas também deixa o sentimento de que o trabalho não pode parar".

Ainda de acordo com o UOL, uma das operações mais letais da polícia do Rio, denominada de "Exceptis", é coordenada pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. Segundo a polícia, foi deflagrada após diversas denúncias contra o grupo criminoso. Dentre elas, a que eles estariam expulsando moradores do Jacarezinho de suas casas, praticava sequestro de trens, roubos de transeuntes e cargas e que era responsável pelo assassinato e sumiço de pessoas da região, sem que os parentes não conseguissem enterrar as vítimas.

A polícia também identificou 21 pessoas como os "responsáveis por garantir o domínio territorial da região com utilização de armas de fogo".

 

 

REPRODUÇÃO
The Guardian - FOTO:REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO
The Washington Post - FOTO:REPRODUÇÃO

Comentários

Últimas notícias