Imunização

OMS pede a laboratórios que compartilhem com Covax 50% de suas vacinas anticovid

Apesar das promessas de doações de vacinas contra o coronavírus para a Covax, o dispositivo tem poucas doses para junho e julho.

AFP
AFP
Publicado em 08/06/2021 às 2:05
Notícia
JAVIER TORRES / AFP
Imunizantes são disputados por diferentes países - FOTO: JAVIER TORRES / AFP
Leitura:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu, nesta segunda-feira (7), aos fabricantes de vacinas contra a covid-19 que disponibilizem metade de sua produção de doses este ano para o dispositivo internacional Covax. Enquanto os países mais ricos acumulam vacinas rapidamente, o Covax, que fornece doses aos países pobres, quer garantir uma distribuição justa entre aqueles que podem pagar e aqueles que não podem, mas ainda não funciona a todo vapor.

E isso quando a Índia, de onde o Covax recebe doses, bloqueou as exportações da vacina fabricada pelo Instituto Serum para combater a epidemia em seu território. Até 4 de junho, o Covax havia fornecido mais de 80 milhões de doses para 129 países e territórios. Menos do que o esperado.

Diante dessa situação, a OMS pediu mais uma vez aos países ricos, que já vacinaram parte de sua população, que compartilhem as vacinas. Mas a organização também pediu às empresas farmacêuticas que mostrassem solidariedade.

"Peço a todos os fabricantes que deem ao Covax o direito à primeira rejeição (ou seja, propor as doses como prioridade) sobre novos volumes de vacinas ou se comprometer a disponibilizar 50% de seus volumes para o Covax este ano, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista coletiva.

"A vacinação desigual é uma ameaça para todas as nações, não apenas para aquelas com menos vacinas", afirmou.

O Covax foi criado pela Aliança de Vacinas (Gavi), a OMS e a Coalizão para Inovações de Preparação para Epidemias (Cepi), para combater as desigualdades no acesso à imunização contra a covid.

 

Apesar das promessas de doações de vacinas contra o coronavírus para a Covax, o dispositivo tem poucas para junho e julho.

Em maio, durante a Assembleia Mundial da Saúde, Tedros pediu à comunidade internacional que, até setembro, pelo menos 10% da população de cada país fosse vacinada contra a covid-19 e que 30% fosse vacinada até o final do ano.

"Para atingir essas metas, precisamos de 250 milhões de doses adicionais até setembro e 100 milhões de doses somente em junho e julho", lembrou o chefe da OMS nesta segunda-feira.

"Neste fim de semana, os líderes dos países do G7 se reunirão para sua cúpula anual. Essas sete nações têm o poder de atingir essas metas. Peço ao G7 que se comprometa não apenas em dividir as doses, mas também em compartilhá-las em junho e julho", declarou.

Além disso, ressaltou que os países de baixa renda não devem contar apenas com as importações de vacinas dos países ricos e reiterou seu apelo para que se invista na produção local de vacinas.

Ele expressou esperança de que "alguns locais de produção sejam identificados e, pelo menos, se aproximem da fase de produção da vacina até o final do ano".

 

 

Últimas notícias