EXTREMISTAS

Como o Talibã assumiu o controle do Afeganistão tão rapidamente?

Diante de um exército menor, porém mais motivado e coeso, muitos soldados do governo, mesmo unidades inteiras, desertaram ou se renderam, deixando as cidades livres para o Talibã

AFP
AFP
Publicado em 16/08/2021 às 19:26
Notícia
AL JAZEERA / AFP
Membros do Talebã assumindo o controle do palácio presidencial em Cabul depois que o presidente do Afeganistão fugiu do país - FOTO: AL JAZEERA / AFP
Leitura:

O rápido e surpreendente avanço do Talibã no Afeganistão não é apenas resultado de sua força militar, mas também de sua capacidade de influenciar o moral do exército governamental e de fazer acordos.

Os insurgentes misturavam ameaças e incentivos em sua propaganda de guerra sempre que tomavam uma cidade (algumas até sem atirar), até entrarem na capital, Cabul.

 


Os Estados Unidos e o Afeganistão estavam convencidos, quando as tropas internacionais começaram sua retirada em maio, que o exército afegão poderia responder aos ataques do Talibã.

Com cerca de 300.000 membros e equipamento muito mais avançado do que os insurgentes, as tropas do governo estavam prontas, pelo menos em teoria. Mas, na realidade, os militares foram corroídos pela corrupção, falta de treinamento e desmotivação.

No verão, esse mesmo exército foi capaz de resistir à ofensiva do Talibã no sul, em Lashkar Gah, mas sem o apoio aéreo e militar dos EUA, não por muito tempo.

Diante de um exército menor, porém mais motivado e coeso, muitos soldados do governo, mesmo unidades inteiras, desertaram ou se renderam, deixando as cidades livres para o Talibã.

 

 

AFP
Os combatentes do Talebã montam guarda em um veículo ao longo da estrada em Cabul em 16 de agosto de 2021, após um fim surpreendentemente rápido para a guerra de 20 anos do Afeganistão - AFP

As sementes do colapso começaram a germinar no ano passado, quando Washington assinou o acordo para a retirada total de suas tropas com o Talibã.

Para o Talibã, foi o início de sua vitória após duas décadas de guerra. Para muitos afegãos desmotivados, a medida significou traição e abandono.

Os insurgentes expandiram sua ofensiva com assassinatos a jornalistas e ativistas de direitos humanos, gerando medo generalizado.

As ações foram acompanhadas por uma campanha de propaganda sobre a inevitável vitória do Talibã.

Soldados e autoridades locais relataram ter recebido mensagens telefônicas pedindo-lhes que se rendessem ou cooperassem para evitar males maiores.

Diante do fracasso das forças governamentais em impedir o avanço do Talibã, muitos senhores da guerra reuniram suas milícias para confrontar o Talibã se eles ousassem atacar suas cidades.

Mas com a falta de esperança na sobrevivência do próprio governo afegão, o destino dos senhores da guerra também foi marcado. E suas cidades caíram sem luta.

No norte, Abdul Rashid Dostum e Atta Mohammad Noor fugiram para o Uzbequistão, deixando para trás veículos militares, armas e até uniformes.

 

AFP
Afegãos se aglomeram na pista do aeroporto de Cabul em 16 de agosto de 2021 para fugir do país, já que o Talebã estava no controle do Afeganistão depois que o presidente Ashraf Ghani fugiu do país - AFP

 

O Talibã começou a fazer acordos e pactuar rendições muito antes de sua ofensiva-relâmpago em maio, de acordo com relatórios.

De soldados a funcionários locais de baixo escalão e até mesmo governadores e ministros, os insurgentes pressionaram por novos acordos.

As imagens de sua marcha final para Cabul mostram a eficácia dessa estratégia: sem obstáculos nas ruas ou combates, o Talibã e as autoridades locais podem formalizar com calma a transferência de poder nas áreas conquistadas.

Relatórios dos EUA feitos há um mês estimavam que o governo afegão poderia entrar em colapso em 90 dias, mas desde que o Talibã conquistou sua primeira capital provincial, a queda demorou apenas duas semanas.

Como os talibãs recuperaram o poder no Afeganistão

Últimas notícias