Afeganistão

Talibã enfrenta necessidade de ajuda financeira internacional

Em 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) afegão chegou a US$ 19,81 bilhões, enquanto o fluxo de ajuda representou 42,9% do PIB, segundo o Banco Mundial.

AFP
AFP
Publicado em 18/08/2021 às 21:48
Notícia
WAKIL KOHSAR / AFP
Membros do Talibã em Cabul - FOTO: WAKIL KOHSAR / AFP
Leitura:

Os talibãs prometeram melhorar a economia afegã. Sem acesso a ajuda internacional e com as sanções estrangeiras, o futuro de um dos países mais pobres do mundo torna-se, no entanto, complexo.

Algumas nações anunciaram um congelamento de seu apoio. O Fundo Monetário Internacional(FMI) também anunciou nesta quarta-feira que suspenderá o financiamento para o Afeganistão porque "há uma falta de clareza na comunidade internacional quanto ao reconhecimento de um governo" no país, disse um porta-voz à AFP.

"O Afeganistão depende cruelmente da ajuda estrangeira", destaca Vanda Felbab-Brown, especialista em Afeganistão no "think tank" americano Brookings Institution, para quem a quantia dos auxílios é, pelo menos, "10 vezes maior" do que a renda do Talibã.

Em 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) afegão chegou a US$ 19,81 bilhões, enquanto o fluxo de ajuda representou 42,9% do PIB, segundo o Banco Mundial.

"A economia do Afeganistão se caracteriza por sua fragilidade e dependência da ajuda" internacional, afirma o instituto de Washington, destacando que o desenvolvimento econômico e a diversificação do setor privado são "prejudicados pela insegurança, instabilidade política, fragilidade das instituições, infraestrutura insuficiente e corrupção generalizada".

A renda atual do Talibã é estimada entre US$ 300 milhões e mais de US$ 1,5 bilhão anuais pelo Comitê de Sanções do Conselho de Segurança da ONU, que publicou um relatório em maio de 2020.


Os talibãs se financiam, principalmente, com atividades criminosas. Entre elas, o cultivo de papoulas, das quais extraem ópio e heroína, ou seja, do tráfico de drogas, mas também da extorsão de empresas locais e de resgates obtidos após sequestros.

"Boa parte de sua renda também é resultado da arrecadação de impostos", afirma Charles Kupchan, do "think tank" Council on Foreign Relations (CFR).

Os talibãs se tornaram especialistas em tributar quase tudo o que passava pelos territórios que controlavam, fossem projetos de governo, fossem negócios, acrescenta o analista.

"O Afeganistão não será mais um país de cultivo de ópio", afirmou o porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, na terça-feira (17).

A produção será praticamente "reduzida a zero" de novo, completou, referindo-se à proibição vigente quando controlavam o país, até 2001.

Por enquanto e apesar dos bilhões de dólares gastos ao longo dos anos pela comunidade internacional para erradicar a papoula, o Afeganistão produz mais de 80% do ópio mundial.

Centenas de milhares de empregos dependem desse negócio, em um país assolado pelo desemprego após 40 anos de conflito.

Os talibãs reconhecem que a melhora da economia passa pela ajuda externa.

"Tivemos trocas com vários países. Queremos que nos ajudem", afirmou Mujahid.

 

Os talibãs parecem se beneficiar de uma melhor recepção internacional do que em seu regime anterior, de 1996 a 2001. Rússia, China e Turquia saudaram suas primeiras declarações públicas. Vários países doadores, com Estados Unidos à frente, manifestaram cautela e disseram que vão-se manter vigilantes.

Washington insiste em que espera que os talibãs respeitem os direitos humanos, especialmente os das mulheres.

O Canadá declarou que não considera reconhecê-los, enquanto Berlim anunciou na segunda-feira (16) a suspensão de sua ajuda ao desenvolvimento do Afeganistão, que previa o desembolso de 430 milhões de euros este ano, sendo 250 milhões de euros para o desenvolvimento.

Para Kupchan, do CFR, o Talibã tem "interesse" em ter uma boa imagem, se quiser obter ajuda econômica. Principalmente porque a China, a segunda maior economia do mundo, não substituiria os países ocidentais financeiramente.

"Os chineses são muito mercantilistas. Tendem a se interessar pelos países dotados de um bom entorno comercial, onde podem construir suas novas Rotas da Seda", explica.

"Os chineses se instalaram na Síria? No Iraque? No Líbano? Não. Consequentemente, eu não superestimaria o papel da China no Afeganistão", conclui.

Construir uma boa reputação para receber ajuda internacional é estratégico, já que "os ativos do Banco Central que o governo afegão possui nos Estados Unidos não serão colocados à disposição dos talibãs", alertou na segunda-feira um responsável do governo Joe Biden.

Os talibãs têm acesso a 0,1% e 0,2% das reservas monetárias totais do Afeganistão, estimou nesta quarta-feira no Twitter o presidente do Banco Central Afegão (DAB), Ajmal Ahmady, que deixou o país.

As reservas internacionais afegãs "nunca estiveram em risco", afirmou o funcionário.

O volume das reservas do banco central afegão alcançava "aproximadamente 9 bilhões de dólares na semana passada", a maioria depositada em instituições do exterior, inclunido a Reserva Federal dos EUA e o BIS (Bank for International Settlements, uma espécie de banco para os bancos centrais).

Os afegãos contam com as remessas de seus familiares no exterior, que em 2020 totalizaram 789 milhões de dólares segundo o Banco Mundial.

A Western Union anunciou a suspensão das transferências de dinheiro para o Afeganistão a partir de segunda-feira.

 

 

Últimas notícias